Maioria das mortes em Pedrógão coincidiu com colapso do SIRESP

“Fita do tempo” da Protecção Civil dá conta de 62 vítimas entre as 20h e as 22h30 de sábado. Unidade móvel da PSP levou 14 horas a colmatar falhas nas comunicações.

Quando o fogo alastrou tudo correu mal no teatro de operações em Pedrógão
Foto
Quando o fogo alastrou tudo correu mal no teatro de operações em Pedrógão Daniel Rocha

Entre o momento em que a estação-base do SIRESP de Pedrógão Grande sofreu os primeiros cortes de transmissão, às 19h38 de sábado, e aquele em que a unidade móvel a cargo da PSP entrou em funcionamento no local, às 9h32 de domingo, decorreram 14 horas. A “linha do tempo” que resulta dos relatórios que várias entidades inquiridas remeteram ao Governo tornam bem evidente que não é verdade aquilo que sustentou a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, quando dizia, baseada nos relatos que lhe tinham sido feitos pelos comandos no terreno e numa altura em que as chamas ainda lavravam, que o SIRESP funcionou tendo sofrido apenas algumas “intermitências”.

Ainda antes de a estação-base de Pedrogão Grande ter entrado definitivamente em “modo local”, isto é, sem comunicação possível com os terminais filiados noutras estações ou no resto da rede, às 21h52, os relatórios evidenciam as dificuldades em garantir o encaminhamento dos pedidos de ajuda que foram chegando a partir das diferentes aldeias cercadas pelo fogo. Às 19h45, por exemplo, o 112 dá conta de três vítimas no interior de uma habitação, na localidade de Casalinho, e da impossibilidade de fazer chegar o pedido de socorro ao posto de comando e ao 2.º Comando Operacional Distrital de Operações de Socorro (CODIS). Àquela hora, já o corpo de bombeiros de Pedrógão Grande tinha ficado sem sinal de baixa frequência. E, nas horas que se seguem, chegam variadíssimos alertas sobre a existência de vítimas a precisarem de socorro nas diferentes localidades que, dadas as falhas nas comunicações, não receberam o devido encaminhamento. Às 20h26, por exemplo, já há informação sobre a existência de dez vítimas no lugar de Nodeirinho. E às 21h soma-se a indicação da existência de quatro vítimas mortais em Pobrais, na freguesia de Vila Facaia. Àquela hora, já as estações do SIRESP em Malhadas, Pampilhosa da Serra e Lousã tinham entrado em modo local. Ainda assim, a entidade gestora do SIRESP, a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI), alega que não recebera, àquela hora, qualquer indicação de que as comunicações de emergência estavam a falhar.

O pedido de activação de uma unidade móvel (EM) do SIRESP só chegou às 21h15 à SGMAI. O primeiro pedido chegou via chefe de gabinete do secretário de Estado da Administração Interna e foi, 14 minutos depois, reforçado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), às 21h29. Um minuto depois, a “caixa negra” da Protecção Civil reporta já a existência de pelo menos 30 vítimas na EN 236-1. Um dos problemas era que, àquela hora, como escreve a SGMAI no relatório divulgado na terça-feira à noite, era já “impossível” ter a EM em Pedrógão Grande a tempo de ajudar a minorar as ocorrências que resultaram em mortes”: 64, ao todo. Isto porque “o tempo necessário optimizado para que a EM se deslocasse e iniciasse serviço é de 4h00”, segundo a SGMAI. E isto seria se as unidades móveis estivessem prontas a arrancar. O que não foi o caso.

No dia da ocorrência, a EM confiada à GNR estava inoperacional por ter quebrado uma peça durante a operação da visita do Papa a Fátima. Já a EM confiada à PSP estava numa oficina na zona de Chelas, em Lisboa, para efectuar uma revisão mecânica, sendo que a SGMAI não tinha sido informada do facto e sem que tivesse sido salvaguardada pela PSP “a possibilidade de a viatura poder ser mobilizada logo que necessária”. Mesmo que tal prontidão tivesse sido salvaguardada, com os atrasos nos pedidos de activação, aparentemente imputáveis à ANPC, a unidade móvel não teria chegado a tempo de evitar estas mortes. É que a maior parte das 64 mortes na sequência do incêndio “terão ocorrido até às 22h30”, ou seja, numa altura em que a SGMAI não tinham ainda sequer conseguido contactar a oficina onde se encontrava a estação móvel do SIRESP confiada à PSP. E, no somatório de todos os atrasos, só às 3h10 é que a equipa da PSP conseguiu levantar a EM da oficina e só às 9h32 é que esta entrou em serviço. Ou seja, 14 horas depois do primeiro alerta para as falhas nas comunicações.

PÚBLICO -
Aumentar