“Vai ser preciso fazer escolhas” no Curtas Vila do Conde

Edição comemorativa dos 25 anos do festival vai decorrer de 8 a 16 de Julho. Secção competitiva nacional tem 16 estreias; a internacional tem 37 filmes.

Fotogaleria
Mariphasa, de Sandro Aguilar, vai ter estreia mundial em Vila do Conde dr
Fotogaleria
Mariphasa, de Sandro Aguilar dr

Já sabíamos dos concertos dos Mão Morta, Atlantic Coast Orchestra, Chassol, Evols, Capitão Fausto e Pegamonstro, no programa Stereo; e o PÚBLICO já divulgara também que o cineasta “in focus”, este ano, seria o francês F.J. Ossang, que regressa a Vila do Conde para mostrar o conjunto da sua obra. Esta quinta-feira ficámos a conhecer o programa completo da edição n.º 25 do Curtas Vila do Conde, que é um dos acontecimentos do ano no calendário cinéfilo nacional, mas que, desta vez — data redonda oblige —, terá uma programação aumentada e melhorada.

É caso para dizer, e Nuno Rodrigues, um dos fundadores e directores do festival, disse-o na conferência de imprensa de apresentação do programa, no Teatro Municipal de Vila do Conde: “Vai ser preciso fazer escolhas”.

Se o figurino do festival se mantém fiel aquilo que foi adquirido ao longo do tempo, cada uma das secções vai ter, este ano, uma dimensão mais ambiciosa. “Este é o maior festival das nossas 25 edições. Vai ser uma viagem no tempo muito intensa, à história, ao presente e ao futuro”, prometeu Nuno Rodrigues.

E começou por enumerar as iniciativas de aniversário, com a edição de “um livro, uma exposição e uma carta-branca”, em que um conjunto de 25 cineastas, escritores, músicos, críticos e jornalistas evocam histórias do festival e escolhem um filme que os tenha marcado nas sucessivas edições. Paralelamente, uma exposição de fotografia, A glória de fazer cinema em Portugal (título que repete o de um documentário de Manuel Mozos), reconstitui essas duas décadas e meia no hall do velho Auditório Municipal, que acolheu o festival na primeira década e meia, e agora é de novo convocado para o Curtas.

No que à programação de cinema diz respeito, a abertura faz-se, ao final da tarde de 8 de Julho, com a antestreia nacional da mais recente longa-metragem de Aki Kaurismaki, O Outro Lado da Esperança, premiado no Festival de Berlim – e um autor que já esteve "in focus" em Vila do Conde.

Nesta mesma secção Da Curta à Longa, com que o festival começou a abrir os seus horizontes para lá da estrita catalogação da curta-metragem, vai ser exibido 24 Frames, filme póstumo de Abbas Kiarostami, desaparecido no ano passado. E, em antestreia mundial, a nova longa-metragem de Sandro Aguilar, Mariphasa, um cineasta cuja obra está indissoluvelmente ligada ao festival nortenho.

“Há 25 anos, as coisas eram bastante diferentes; mas, com o tempo, a curta-metragem deixou de ser o parente pobre do cinema e passou a poder falar-se dela como cinema, como arte do cinema”, reclamou Miguel Dias, também director, como introdução à divulgação da selecção para a competição nacional, que exibirá 16 filmes, nove deles em estreia mundial.

Sobre a competição internacional, Miguel Dias acredita que a lista de 37 títulos mostrará “a excelente colheita de 2016/17”. E destacou obras de realizadores já consagrados, como Jia Zhangke, Ben Rivers, Yann Gonzalez, Hu Wei, Laura Poitras ou a dupla Caroline Poggi-Jonathan Vinel, além da oportunidade para descobrir nomes como Laura Ferrés, Jonathas de Andrade ou Toru Takano.

Já a Competição Experimental propõe 24 filmes, entre os quais estão obras dos portugueses Tânia Dinis e Miguel Ildefonso. A marca experimental estará naturalmente presenta na selecção de Take One, com filmes de escola — de onde, em edições anteriores, sobressaíram nomes como João Salaviza e Leonor Teles.

Desde algumas edições atrás, o festival decidiu tornar também competitiva a secção Curtinhas, dando assim – explicou Mário Micaelo, o terceiro membro da direcção fundadora — uma feição mais exigente a filmes com que o festival quer “conquistar não apenas os espectadores mais novos, mas as famílias; ou seja, novos públicos” para o cinema. A abrir esta secção, será exibido o filme de animação Gru – O Mal Disposto 3.

Mário Micaelo explicou também o tema da exposição que, paralelamente ao festival, mas prolongando-se para além do seu termo no dia 16, vai estar instalada na galeria Solar: são seis instalações site-specific sobre o tema Terra, de autoria de Gabriel Abrantes e Ben Rivers, Mariana Caló e Francisco Queimadela, e também de Priscila Fernandes, Pedro Neves Marques, Joana Pimenta e Lúcia Prancha (com três obras). São “instalações, vídeos e filmes que estão na fronteira entre o cinema a as artes plásticas”, de autores de uma nova geração para quem o ambiente é uma tema incontornável e que manifestam preocupações ecológicas. Terra ficará patente até 17 de Setembro.

Hugo Ramos, director de produção do Curtas, lembrou a aposta que o festival sempre fez também na música. E citou os concertos e filmes-concertos da secção Stereo, que abre, logo na noite de 8 de Julho, com a Atlantic Coast Orchestra a musicar um clássico do cinema mudo, Pamplinas Maquinista (1926), de Buster Keaton.

Vinte e cinco anos após o início, o Curtas Vila do Conde parece definitivamente enraizado não apenas no calendário nacional (com a repercussão internacional conhecida), mas também no próprio território local. E um dos seus “frutos” reconhecidos pela autarquia é a recente instalação, em Vila do Conde, da Escola Superior de Media, Artes e Design (ESMAD), uma extensão do Instituto Politécnico do Porto. “O festival fez de Vila do Conde o território onde esta escola podia assentar melhor”, disse a presidente da câmara (e vereadora da Cultura) Elisa Ferraz, também presente na conferência de imprensa, onde prometeu a continuidade do apoio da autarquia.

A edição celebrativa do Curtas tem um orçamento especial de 300 mil euros — perto de dez vezes mais do que o custo da edição inaugural, em 1993, que andou pelos 5 mil contos (25 mil euros).