Nick Mauss e o jogo de espelhos da Casa de Serralves

Depois dos Mirós, os desenhos e os espelhos deste artista norte-americano fazem a exposição de Verão na villa do Conde de Vizela. Para ver até 24 de Setembro.

Fotogaleria
Intricate others vai ficar na Casa de Serralves até 24 de Setembro Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Depois de oito meses “okupada” por Joan Miró, a Casa de Serralves volta a permitir que se veja, a partir do seu interior, a luz dos jardins e do parque da fundação. E é uma sensação quase nova, agradável, tranquilizadora. Mas a visita que agora podemos fazer à moradia modernista do Conde Vizela tem um novo guia.

A partir desta quinta-feira, o percurso pela Casa faz-se pontuado pela intervenção do artista norte-americano Nick Mauss (n. Nova Iorque, 1980), que assim sucede a Trisha Donnelly (2016) e Yto Barrada (2015), autores das intervenções realizadas nos últimos Verões.

Logo à entrada de Intricate others, título da exposição, no espaço da antiga biblioteca, Mauss mostra que o desenho e o jogo de espelhos irão marcar uma intervenção que convoca muitas outras formas de expressão. Numa sala sombria, vemos um vídeo-espelho que projecta no chão o gesto criativo do artista. Nos espaços seguintes, entre o piso da entrada e o superior, veremos molduras e instalações em volta e dentro de vitrinas, painéis com telas giratórias, gravuras, têxteis, plintos de esferovite a suportar caixas de cartão, novos vídeos, esculturas… E, a destacar-se do conjunto, um painel a “decorar” as quatro paredes do mezanino do edifício.

Nick Mauss, apresentado por Serralves como "uma das vozes mais influentes da nova geração de artistas contemporâneos", visitou a fundação portuense pela primeira vez há dois anos, voltou no ano passado e agora fez uma espécie de “residência artística” na Casa durante uma semana, a preparar e instalar Intricate others. “Foi um convite fantástico, um desafio maravilhoso, este de pesquisar e dialogar com uma casa que é única”, disse o artista na visita em que guiou os jornalistas, esta quarta-feira. A seu lado, João Ribas, director-adjunto do Museu de Serralves e curador da exposição, explicava que o artista nova-iorquino – que conhece e cuja obra acompanha desde há década e meia – “sempre se interessou por trabalhar certas tendências do modernismo e da sua relação com as várias artes: a coreografia, a cenografia, os figurinos e a aplicação da pintura e do desenho em suportes não tradicionais ou associados às belas artes e às artes aplicadas”.

Ao PÚBLICO, João Ribas lembrou, a propósito, o trabalho recente que Nick Mauss foi convidado a realizar, entre o final do ano passado e Janeiro último, no Novo Museu Nacional do Mónaco – Villa Sauber, como designer de uma exposição que evocou o 150.º aniversário do nascimento de Leon Bakst, o cenógrafo e figurinista dos Ballets Russes.

Para a sua intervenção na Casa de Serralves, Mauss começou por “ler o edifício” e estudar a sua história e arquitectura. “Durante a minha primeira visita à Casa, reparei na forma como era propulsionado através do seu interior sem saber na verdade para onde estava a ir. Na ausência de quaisquer indicações didácticas, eu era livre de me confrontar com os pormenores e de tentar encontrar um sentido no desenho da Casa”, disse Mauss numa entrevista com o seu curador, incluída no caderno que Serralves vai lançar durante a exposição.

Um exemplo dessa liberdade de intervenção e de diálogo com a arquitectura e o visual art déco da Casa está no desenho de grandes dimensões e de grande simplicidade com a sobreposição de um rosto jovem ao lado da grande janela da sala de estar, que abre para o jardim lateral. “Isto é quase um cenário teatral, e o desenho estabelece esse diálogo com a grande janela que nos dá a ver a geometria deste jardim cartesiano”, notava Mauss durante a visita.

Mas é a sucessão de espelhos, um deles a cores, na rara intervenção colorida de Intricate others – “a Casa já tem muita cor, e uma cor impositiva; esta foi a minha resposta a isso”, justificou o artista –, que melhor expressa o sentido da intervenção de Mauss. Alguns deles são mesmo imperceptíveis, de tão “intrincados” com a arquitectura e o mobiliário, como o que aparece incrustado no corrimão da escada. Outros, como os dois que encontramos num dos quartos, são espelhados sobre desenhos originais, de uma forma artesanal. “Este vidro pintado é recoberto por um revestimento espelhado, que gera as suas próprias reacções inesperadas (brilhos, obscurantismos, solarizações); deste modo, a pintura final fica dentro do espelho, não na superfície”, explica Mauss, na entrevista citada.

Intricate others é também um desafio a descobrir o “interior algo anacrónico, com toda a sua coreografia social e organização do espaço Downtown Abbey” – nota João Ribas –, em contraste com uma fachada modernista e art déco.

Uma viagem no tempo, num intrincado jogo de espelhos. Para ver até 24 de Setembro.