Após morte nos Comandos, recruta quis desistir e foi preso

Procuradora finalizou acusação e não tem dúvidas de que instruendo, que chegou a fugir, foi preso ou sequestrado. Entre os acusados há 19 militares. Hugo Abreu e Dylan da Silva morreram no curso 127 em Setembro do ano passado.

Foto
Procuradora diz que muitos recrutas quiseram “desistir do curso”, mas que tal não lhes foi permitido Rui Gaudencio

O comandante do Regimento de Comandos, coronel Dores Moreira, vai ser investigado pelo Ministério Público junto do Tribunal Da Relação de Lisboa. Em virtude da sua patente, a procuradora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, Cândida Vilar, que liderou a investigação às mortes de Setembro de 2016 nos Comandos, decidiu ordenar a extracção de certidão para aquela instância superior abrir inquérito-crime ao oficial estando em causa três crimes. Um deles está relacionado com a prisão ilegal de um recruta que na manhã seguinte à morte de Hugo Abreu quis desistir do curso. 

Dores Moreira surge referido no âmbito da acusação deduzida nesta terça-feira por Cândida Vilar contra 19 militares no âmbito do processo relativo às mortes de Hugo Abreu e Dylan da Silva. Todos comandos, são acusados de crimes de abuso de autoridade por ofensas à integridade física, que nalguns casos são simples ou graves. Dos 20 arguidos, só a enfermeira Isabel Nascimento não foi acusada. Sete são acusados pelo crime de abuso de autoridade por ofensas à integridade física, previsto no Código de Justiça Militar, crime agravado pelo resultado: a morte. 

São eles o director do curso, tenente-coronel Mário Maia, o comandante de formação (responsável por todos os instrutores) capitão Rui Passos Monteiro, o capitão-médico do curso Miguel Onofre Domingues, o enfermeiro, sargento João Coelho, o comandante e o encarregado da instrução do grupo de graduados no qual estava Hugo Abreu , o tenente Hugo Pereira, sargento Ricardo Rodrigues e o comandante do grupo em que estava Dylan da Silva, o tenente Miguel Almeida.

A procuradora nota que embora não haja indícios que permitam apontar para “o homicídio doloso” de Hugo Abreu e Dylan da Silva, “há indícios abundantes de terem sido cometidas ofensas à integridade física dolosas” e “também há prova” para imputar as mortes “a essas ofensas à integridade física, no plano objectivo, e aos militares que supervisionaram as provas ao nível subjectivo”, estando acusados por crimes para os quais se prevêem penas de oito a 16 anos de prisão efectiva.  

Três dias depois decidiu fugir

Quanto a Dores Moreira a investigação passa agora para um procuradora junto da Relação. Por ser coronel, o DIAP não o pode investigar. Mas Cândida Vilar já explica nesta acusação o episódio pelo qual o considera também responsável.

O instruendo do Curso n.º 127 dos Comandos pediu então, no Campo de Tiro de Alcochete, a um dos instrutores responsáveis do seu grupo para desistir. Este disse-lhe que o comandante de formação tinha de ser informado e que até lá ele tinha que permanecer na instrução. Não foi o único que quis desistir mas foi aquele que correu riscos para o fazer, de acordo com o Ministério Público.

Passaram três dias e na noite de terça-feira, o soldado de 21 anos decidiu fugir, por um buraco na rede ao lado do portão de saída. Passava das 22h. Saiu sem documentos e sem telemóvel.

Foi a pé até à estação do Cacém, onde apanhou um comboio, depois um autocarro até à casa dos pais, onde chegou de madrugada. Antes disso, o comandante de formação já telefonara aos pais ameaçando considerá-lo desertor.

O soldado decidiu voltar, com a certeza de que iria pôr fim à sua participação no curso, segundo o próprio e como consta do seu auto de inquirição, enquanto testemunha, no processo conduzido pelo DIAP e pela Polícia Judiciária Militar (PJM). No regresso à Carregueira, o comandante de formação colocou-o sozinho numa caserna, onde não podia falar com ninguém.

"Em regime de prisão" ou "de sequestro"

Cândida Vilar considera que o soldado “ficou em regime de prisão, ou pelo menos de sequestro, sem qualquer fundamento” e responsabiliza o comandante do Regimento de Comandos. A procuradora lembra que “depois da morte de Hugo Abreu [na noite de 4 de Setembro] (…) muitos dos formandos pretenderam desistir do curso” mas tal não lhes foi permitido “sendo mesmo obrigados a permanecer no curso”.

O soldado “era levado como se fosse um preso para as refeições, acompanhado por um graduado” e “no refeitório era colocado num canto sozinho e virado para a parede”. Esteve assim três dias. E só na semana seguinte, deixou o regimento e o curso. No auto de inquirição, com data de Fevereiro de 2017, o soldado disse que desistiu porque “não gostou do que viu na Prova Zero”. Nesse primeiro dia da prova e do curso, foi empurrado para cima dos colegas que já tinham sido atirados para as silvas, como castigo por pedirem água ou não aguentarem o que lhes era exigido. Ao ser empurrado para baixo, ao pontapé, teve medo de provocar lesões no colega sob ele.

A magistrada conclui que “no início da Prova Zero, os formandos foram confrontados com comportamentos profundamente violentos dos formadores e só o medo da prática de comportamentos ainda mais violentos (…) do director do prova, do comandante de companhia e até da equipa sanitária – médico e enfermeiro – justificou que os formandos tenham permanecido durante a noite do dia 4 de Setembro de 2016, no Campo de Tiro de Alcochete”, já depois da morte de Hugo Abreu.

Falsificação e insubordinação

A certidão com vista à abertura de uma investigação criminal do responsável máximo dos Comandos é relativa também a um alegado crime de falsificação de documentos (no âmbito do Código Penal) e insubordinação por desobediência (previsto no Código de Justiça Militar). A primeira destas diz respeito à entrega à investigação do DIAP de um guião da Prova Zero que indicava que os instruendos poderiam beber até cinco litros de água por dia, quando na verdade o guião em que se basearam os instrutores foi o de cursos anteriores que indicava que o limite seriam os três litros.

A confirmar-se, a falsificação de documento teria por objectivo responsabilizar os instrutores e responsáveis do curso e não os altos oficiais, como o comandante Dores Moreira pelo racionamento de água que causou desidratação profunda nalguns instruendos, entre os quais Hugo Abreu e Dylan da Silva.

A outra situação – de alegada insubordinação por desobediência – surge da confirmação dos investigadores de que a instrução prosseguiu no dia seguinte à morte de Hugo Abreu, quando o comandante das Forças Terrestres, general Faria de Menezes afirma, num depoimento escrito dirigido à procuradora e aos investigadores da PJM, que deu ordem nessa noite para a instrução ser suspensa.

Essa informação não é confirmada pelo médico que substituiu o capitão-médico, e que diz ter participado na reunião referida pelo general Faria de Menezes, em que este, contudo, nunca teria dado ordem para se parar a instrução e os exercícios com os instruendos que não estavam na enfermaria. Apenas teria perguntado a opinião dos presentes.

A procuradora também determinou que fossem extraídas certidões com vista à abertura de uma investigação criminal a alegadas agressões nos Cursos n.º 123 e n.º 125, realizados em 2014 e 2015. Foram então apenas abertos processos de averiguações internos, arquivados por decisão do coronel Dores Moreira, comandante do Regimento dos Comandos.