PSD de Montalegre à espera de Passos para denunciar “promiscuidade partidária”

Concelhia olha com desconfiança para a relação entre os ex-presidentes de câmaras de Montalegre e Boticas e teme que as ligações entre eles prejudiquem o processo eleitoral do partido no concelho.

Foto
Passos Coelho estará presente na convenção autárquica do PSD Nuno Ferreira Santos

O PSD de Montalegre aguarda pela realização da convenção autárquica do partido, que deverá realizar-se em breve, em Vila Real, para questionar o partido sobre as “estranhas relações” entre o ex-presidente da Câmara de Montalegre, o socialista Fernando Rodrigues, e o social-democrata Fernando Campos, que liderou o município de Boticas durante vários mandatos.

À primeira vista, Fernando Rodrigues, que actualmente lidera a bancada do PS na Assembleia Municipal de Montalegre, e Fernando Campos, que preside à bancada do PSD da Assembleia Municipal de Boticas, seriam adversários políticos, mas não são e, na região do Barroso, há muito que se comenta a relação entre os dois.

Fernando Rodrigues e Fernando Campos são sócios de uma empresa com sede em Moçambique, que foi constituída quatro meses depois de os dois deixarem a presidência das respectivas câmaras. Desta sociedade por quotas, que se chama Urbenacala, Ldª, faz também parte Elói Ribeiro, antigo governador civil e mandatário para o distrito de Vila Real da candidatura de Cavaco Silva à Presidência da República. Mas há um quarto sócio que se chama António Alvarez, que é um empresário.

A sociedade tem por finalidade a “compra, venda, locação, promoção e gestão de condomínios, imobiliária, bem como a reparação e construção de estradas e pontes, construção e reabilitação de piscinas e furos de água”, entre outros objectivos, segundo revelou há dias o jornal Notícias do Barroso.

A três meses das eleições autárquicas, a concelhia do PSD de Montalegre olha com desconfiança para o relacionamento entre os dois ex-presidentes de câmaras e teme que as ligações entre eles prejudiquem o processo eleitoral do partido no concelho. Os sociais-democratas de Montalegre reuniram-se na sexta-feira e o comunicado aprovado fala de “promiscuidade partidária”. E aponta casos.

“Viemos a saber que existe um cenário promíscuo evidenciado pelo PSD de Boticas e pelo PS de Montalegre. Além da relação empresarial existente entre Fernando Campos e Fernando Rodrigues através da empresa moçambicana Urbenacala, Limitada a que se junta Elói Ribeiro (ex-presidente da distrital o PSD e ex-deputado pelo distrito), sabemos agora que também Albano Alvares (ex-vice-presidente da Câmara de Boticas no tempo de Fernando Campos) é sócio de uma empresa chamada Trufos Celtas na qual detém 1/3 do capital social“, diz o comunicado a que o PÚBLIICO teve acesso..

Segundo a concelhia, a “Trufos Celtas (ligada à área da restauração) tem ainda como sócios as empresas NaturBrarroso e Xenobert-Turismo, Ldª, que detêm cada uma 1/3 da participação social”. O comunicado considera ser um “facto curioso que a empresa NaturBarroso seja detida em 50%pela mãe de David Teixeira (vice-presidente da Câmara de Montalegre [PS]) que, com todo o devido respeito, pela senhora, não se vislumbra qualquer capacidade de gestão para uma empresa que até ao dia de hoje [sexta-feira] detêm um envolvimento empresarial na ordem dos 400 mil euros com entidades públicas como a empresa EHATB-Empreendimentos Hidroeléctricos do Alto Tâmega e Barroso, e com vários ajustes efectuados com assinatura de companheiros nossos”.

A concelhia pede explicações à distrital do PSD de Vila Real sobre as ligações entre os dois ex-presidentes de câmara e aguarda que seja marcada a convenção autárquica para, na presença de Pedro Passos Coelho, saber se o partido vai apoiar a candidatura do partido em Montalegre.