Morreu um militar português em missão no Mali

Militar perdeu a vida no ataque terrorista num centro turístico perto de Bamaco, quando estava num período de descanso das actividades operacionais.

miguel madeira
Foto
miguel madeira

Um militar português morreu e outro ficou ligeiramente ferido durante um ataque das forças rebeldes no Mali, informou esta segunda-feira o Exército. O militar morreu num ataque levado a cabo por homens armados no domingo, no Hotel Le Campement Kangaba, um centro turístico perto da capital do país, Bamaco. Tinha 42 anos, era casado e pai de dois filhos menores. Outro militar português, que também estava no local, já se encontra completamente recuperado. A Reuters adianta que o ataque fez quatro mortos.

O sargento-ajudante Gil Fernando Paiva Benido integrava o contingente nacional na Missão de Treino da União Europeia no Mali. A família foi informada da morte esta manhã, disse ao PÚBLICO o tenente-coronel Hélder Perdigão, porta-voz das Forças Armadas, que explica o contexto em que aconteceu o ataque: “Os militares têm actividades operacionais, e nos intervalos dessas actividades são colocados, para os momentos de descanso, neste centro”, disse. Os militares nestas missões partem por períodos de seis meses. Gil Paiva Benido estava no Mali desde 16 de Maio, e deveria regressar a 16 de Novembro.

PÚBLICO -
Aumentar

Segundo o comunicado do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), o local onde ocorreu o ataque, o Hotel Le Campement Kangaba, “é reconhecido e autorizado pela Missão de Treino no Mali ao serviço da qual estava o militar como welfare center entre os períodos de atividade operacional dos militares que prestam serviço naquele país”. A morte ocorreu “devido a confrontos ocorridos na sequência de um ataque de elementos rebeldes que provocou outras baixas entre elementos de outros contingentes”, adianta, por sua vez, o comunicado do Exército.

O ministro da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes, manifestou, em seu nome pessoal e em nome do Governo, “profundo pesar pelo falecimento do militar do Exército português que se encontrava ao serviço da Missão da União Europeia no Mali (EUTM)” e visitou, juntamente com o chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, a família do militar falecido “para prestar os seus mais profundos sentimentos e solidariedade nesta hora de dor e sofrimento”, lê-se num comunicado do gabinete do ministro.

Dez militares no Mali

Portugal tem actualmente no Mali uma força nacional destacada de dez militares a prestar serviço na missão da União Europeia: seis são do Exército, três da Força Aérea e um da Marinha, informou o porta-voz do Estado-Maior-General das Forças Forças Armadas (EMGFA).

Um inquérito “no sentido de esclarecer as circunstâncias que envolveram o ataque terrorista em Bamaco” já foi instaurado, adiantou o EMGFA. “Encontravam-se no local vários militares da força internacional de diversos países, entre os quais dois portugueses”, refere o EMGFA, que confirma que “o segundo militar português saiu ileso deste ataque”.

No Mali, um grupo que resultou da fusão de três outras facções armadas com ligações à Al-Qaeda tem desencadeado ataques contra militares e contra a força de manutenção de paz da ONU. O país vive um período de instabilidade política desde a deposição do Presidente Amadou Toumani Touré em 2012, provocada por um golpe militar, e que foi aproveitado por alguns grupos islamistas radicais ligados à Al-Qaeda do Magrebe Islâmico. Nesse mesmo ano iniciou-se igualmente a rebelião dos rebeldes tuaregues que procuram a independência, formando alianças com os islamistas.

A actuação dos grupos islamistas e rebeldes partiu e tem como centro o Norte do país, uma região composta essencialmente por deserto e zonas montanhosas, mas os vários ataques ocorridos na capital, Bamaco, provam que o conflito se começa a estender a todo o Mali.

A França foi o país que mais militares enviou para o terreno, tendo chegado a destacar, em operações autónomas, mais de três mil soldados no Norte do Mali.

A missão mais mortífera

O objectivo da missão é fornecer “instrução militar e aconselhamento” às Forças Armadas do Mali com vista a “contribuir para a restauração da sua capacidade militar, na perspectiva de as preparar para a condução de operações militares, destinadas a restabelecer a integridade territorial do Mali e reduzir a ameaça que os grupos terroristas representam”.

No que diz respeito aos elementos portugueses, fazem parte desta missão alguns instrutores militares do Centro de Tropas de Operações Especiais da Brigada de Reacção Rápida do Exército e do Destacamento de Acções Especiais do Corpo de Fuzileiros da Marinha.

Sediada em Bamaco, a capital daquele país africano, a missão da UE durará até Maio de 2018. Os militares portugueses participam num contingente europeu com cerca de 580 militares, sob o comando do brigadeiro-general Peter Devogelaere (da Bélgica). No ano passado, em Março, dois atacantes tentaram entrar no Hotel Nord-Sud, onde estão alojados os militares da UE, mas foram neutralizados pelas forças de segurança do hotel.

O Mali é um dos locais mais perigosos para as missões internacionais. Desde que se iniciou, em 2013, a operação das Nações Unidas no Mali (United Nations Multidimensional Integrated Stabilization Mission in Mali ) é a que mais baixas regista no historial recente da organização: 101 mortes.

Também nesta missão há um contingente português, igualmente instalado em Bamaco. Neste momento, é composto por apenas dois militares, com funções de estado-maior, mas chegou a ter 68 militares, quase todos da Força Aérea, com a participação do avião C-130H da Esquadra 501 Bisontes da Base Aérea n.º 6, do Montijo. A maioria destes efectivos regressou a Portugal em Maio, terminando a sua missão.

Contingente na República Centro-Africana

Portugal participa igualmente na Missão Integrada Multinacional de Estabilização das Nações Unidas na República Centro-Africana (Minusca) com 160 militares, 90 dos quais do Regimento dos Comandos, do Exército. O contingente foi preparado para executar operações de combate, patrulhas de segurança, vigilância e reconhecimento de área e desenvolver operações de cerco e busca, entre outras capacidades.

No início de Fevereiro, o primeiro-ministro, António Costa, visitou os militares cujo primeiro contingente chegou em Janeiro, por um período de seis meses. Por ocasião dessa visita, lembrou que a participação portuguesa na Minusca foi decidida em resposta ao apelo de França, após os atentados terroristas em Paris, em Novembro de 2015.

O apelo foi no sentido de serem enviados militares para o “combate directo ao grupo extremista Estado Islâmico” na República Centro-Africana. “Estamos aqui também numa missão de solidariedade de apoio ao combate ao terrorismo internacional”, disse António Costa no país, durante a visita.

“Esta é uma missão muito importante porque marca politicamente e do ponto de vista operacional um regresso significativo de Portugal a forças de peacekeeping [manutenção de paz]”, afirmou o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, na despedida deste contingente, em Janeiro, reconhecendo que “do ponto de vista da avaliação do risco", a República Centro-Africana era, “com certeza, um teatro de operações exigente”.