Precários do Estado: o que está em cima da mesa

Sindicatos e Governo voltam à mesa das negociações nesta segunda-feira para discutirem o diploma que define como será feita a regularização dos precários.

Há quase 90 mil trabalhadores com vínculos temporários que anseiam por um lugar no Estado
Foto
Há quase 90 mil trabalhadores com vínculos temporários que anseiam por um lugar no Estado ADRIANO MIRANDA

Tempo de serviço será no mínimo de três anos

Para poderem aceder à regularização extraordinária de vínculos precários, os trabalhadores têm de cumprir um conjunto de requisitos. Desde logo ter exercido funções entre 1 de Janeiro e 4 de Maio de 2017, desde que essa situação se prolongue no mínimo há três anos. Além disso, tem de ficar provado que asseguram necessidades permanentes, respeitam o poder hierárquico, de disciplina e de direcção dos serviços e têm horário completo. Adicionalmente, as comissões de avaliação bipartida criadas em cada ministério têm de verificar se o vínculo é ou não adequado. Os trabalhadores abrangidos por CEI e CEI+ terão um regime específico.

Admissão por concurso será a regra

Depois de passarem pelo crivo das comissões e de a decisão ser homologada pelo Governo, a regularização das situações de precariedade será feita através de concurso. De acordo com as linhas gerais que vão ser discutidas com os sindicatos, esse foi o caminho seguido em 1996/1998 por António Guterres e, na altura, “não foram identificadas questões de constitucionalidade ou litigância”. Isto é importante porque a Constituição da República determina que “todos os cidadão têm direito de acesso à função pública, em condições de igualdade e liberdade, em regra por via de concurso”.

Trabalhadores serão colocados na base da carreira

A integração nos quadros será feita nas carreiras correspondentes às funções que são desempenhadas pelos trabalhadores precários. As pessoas serão colocadas na primeira posição remuneratória e apenas no caso dos técnicos superiores se admite que possam ser integrados na segunda posição salarial. O tempo de serviço em que o trabalhador esteve precário só terá efeitos quando forem desbloqueadas as progressões.