Brooks Koepka eleva-se ao estatuto de estrela

Americano da Florida vence Open dos EUA e entra no top-10 do ranking mundial

Brooks Koepka com o troféu do Open dos EUA © PGA TOUR
Foto
Brooks Koepka com o troféu do Open dos EUA © PGA TOUR

Brooks Koepka conquistou o seu primeiro major por ocasião do 117.º Open dos EUA, selando o êxito com um fantástico birdie no último buraco para ganhar no par-72 de Erins Hills, no Wisconsin, com quatro pancadas de vantagem sobre a concorrência directa. 

O norte-americano tinha partido para a última volta empatado no segundo lugar com o compatriota Justin Thomas e o inglês Tommy Fleetwood, a uma pancada do líder, o também americano Brian Harman. 

Foi com este último que Koepka travou uma grande batalha até que fez três birdies consecutivos entre os buracos 14 e 16 para se distanciar do rival, vindo a finalizar com um 67 que lhe deu um total de 272 pancadas, 16 abaixo do par, no que iguala o mais baixo agregado de um vencedor do torneio, no caso o de Rory McIlroy em 2011 no Congressional. 

Harman finalizou com 72 e partilhou o segundo lugar com o japonês Hideki Matsuyama, este o autor da melhor volta no domingo, com 66, ambos com 276 (-12). Fleetwood (72) foi quarto com 277 e no quinto posto ficaram os americanos Rickie Fowler (72), Bill Haas (69) e Xander Schauffele (69) com 278. 

“Estava claramente mais confiante esta semana do que alguma vez estive, senti-me a bater muito bem na bola, a meter a bola no fairway – que é o que é preciso fazer aqui – e a ‘patar’ também muito bem”, afirmou Koepka,de 27 anos, natural de West Palm Beach, na Florida. 

Trata-se de um jogador que, quando virou profissional em 2012, iniciou a sua carreira na Europa, no secundário Challenge Tour, o que, disse, lhe deu uma bagagem importantíssima para o futuro. Agora, esta foi a sua segunda vitória no PGA Tour, dois anos depois do triunfo no Waste Management Phoenix Open. Valeu-lhe um prémio de 2,16 milhões de dólares e a entrada no top-10 do ranking mundial, do 22.º para o 10.º posto. 

Outra subida significativa foi a de Matsuyama, que passou de 4.º para 2.º no ranking, tabela onde já só tem à sua frente Dustin Johnson, o campeão de 2016 do Open dos EUA. Rory McIIlroy caiu de 2.º para 3.º. 

O campo revelou-se mais acessível do que é habitual no Open dos EUA, acabando a semana com um novo recorde 31 jogadores com agregado abaixo do par, batendo os 28 jogadores em Medinah em 1990. E houve 133 voltas abaixo do par, mais nove do que anterior melhor marca no mesmo Open de 1990.

Veja mais em www.golftattoo.com