O que é a trovoada seca

PAULO PIMENTA / publico
Foto
PAULO PIMENTA / publico

A trovoada seca foi apontada como a principal responsável da catástrofe de sábado em Pedrógão Grande. Este fenómeno meteorológico consiste na ocorrência de uma trovoada sem aguaceiros, o que não quer dizer que não exista precipitação: pode haver queda de água, mas esta é tão pouca e o ambiente está tão quente que a água se evapora antes mesmo de chegar ao solo.

Terá sido o que ocorreu no sábado: a humidade era muito baixa e a temperatura bastante alta, a trovoada seca provocou raios e ventos cruzados. A Polícia Judiciária anunciou que encontrou a árvore que terá recebido o primeiro raio, conduzindo a descarga eléctrica até ao solo, onde terá pegado fogo à vegetação próxima. As condições climatéricas eram as ideais para fazer propagar um incêndio numa zona de floresta muito seca e isso terá ocorrido no fim da tarde de sábado.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mantém um mapa actualizado com as descargas eléctricas na atmosfera ao longo do dia. É um serviço que existe desde 2002 e que permite apresentar resultados quase em tempo real a partir de quatro detectores espalhados pelo território. Na informação recolhida no domingo de manhã sobre as ocorrências no sábado, não existia o registo de qualquer trovoada seca na região de Pedrógão – e durante a tarde de domingo os dados relativos a sábado ficaram indisponíveis. O alerta foi dado no Facebook por Pedro Almeida Vieira, autor do livro O Vermelho e o Negro sobre os incêndios em Portugal. No fim da tarde de domingo não estava ninguém do IPMA disponível para comentar esta mudança.