Número de vítimas mortais do incêndio de Londres sobe para 30

Polícia britânica continua a dizer que o número continuará a ser revisto. May visitou hospital e falou com sobreviventes em privado.

Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters/HANNAH MCKAY

O comandante da polícia Metropolitana de Londres, Stuart Cundy, confirmou nesta sexta-feira que há "pelo menos" 30 vítimas mortais do incêndio da Torre Grenfell. Um dos mortos é uma pessoa que tinha sido transportada para o hospital, com ferimentos, após o incêndio.

Stuart Cundy disse que há mais mortos no edifício. “Nós sempre soubemos que o número poderia aumentar”, disse. Algumas das vítimas podem nunca vir a ser identificadas, admitem as autoridades inglesas, de acordo com a BBC.

A última actualização da polícia revela que 24 pessoas ainda se encontram em tratamento no hospital, entre as quais 12 em estado crítico.

O comandante da polícia metropolitana afirma que alguns agentes especializados estão a dar apoio a 36 famílias envolvidas no incêndio.

A investigação sobre a causa do incêndio pode durar semanas, segundo Cundy. "Infelizmente, não esperamos que ainda haja sobreviventes", acrescentou. "Nada indicia que o incêndio tenha sido iniciado deliberadamente”, sublinhou o comandante.

A rainha Isabel II e o duque de Cambridge, o príncipe William, encontraram-se esta sexta-feira de manhã com alguns voluntários, residentes e representantes da comunidade londrina afectada — o prédio de habitação social situa-se em Kensignton e Chelsea. A monarca realçou a "incrível generosidade" dos voluntários que deram apoio às vítimas.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, visitou o local do acidente na quinta-feira, dia em que anunciou a abertura de um inquérito para apurar a responsabilidade pelo incêndio. May está a ser muito criticada por não ter falado com sobreviventes e familiares durante a visita e esteve esta sexta-feira num hospital onde estão internados os sobreviventes feridos. Falou com alguns em privado.