A América de Trump volta a ver Cuba com os olhos da Guerra Fria

Presidente norte-americano assina decreto para "reforçar a política dos Estados Unidos em relação a Cuba". Aprovadas restrições a investimentos e turismo, mas a embaixada mantém-se aberta.

Foto
Donald Trump assinou o decreto esta sexta-feira Carlos Barria/Reuters

Longe vão os tempos em que Donald Trump e Marco Rubio trocavam insultos brejeiros sobre a altura de cada um e que impacto tinha o tamanho das mãos em outras partes do corpo. Esta sexta-feira, um ano depois daquela dura batalha para as primárias do Partido Republicano, o senador da Florida viu finalmente o seu sonho realizado, ao mesmo tempo que o Presidente norte-americano cumpria mais uma promessa de campanha – a quase todos os níveis, a política dos Estados Unidos em relação a Cuba regressou à era pré-Obama, e o discurso viajou ainda mais para trás no tempo.

A precisar de um banho de multidão à moda antiga, para se esquecer por uns momentos da investigação sobre as suspeitas de conluio entre membros da sua equipa de campanha e o Governo russo, Donald Trump foi até Miami assinar o decreto presidencial mais aguardado pelos seus apoiantes de origem cubana. "Reforçar a política dos Estados Unidos em relação a Cuba" é o título do documento, disse o Presidente norte-americano depois de o assinar. "E posso acrescentar que vai reforçar e muito!", sublinhou.

Na prática, o decreto presidencial assinado esta sexta-feira tem como principal objectivo fazer tábua rasa da aproximação iniciada por Barack Obama com a mediação do Papa Francisco. É também o cumprimento de uma promessa – a promessa de voltar a virar as costas a Cuba enquanto o regime de Raúl Castro existir, que pesou muito na sua renhida vitória no estado da Florida nas eleições presidenciais do ano passado.

Foi perante muitos desses eleitores, que encheram o Teatro Manuel Artime, na zona conhecida como Little Havana, que Trump anuciou as mudanças em relação a Cuba. Ao seu lado estiveram exilados, dissidentes e também políticos da 1ª Divisão, para assinalar a importância do momento: o vice-presidente, Mike Pence; Marco Rubio, senador da Florida; Mario Diaz-Balarte, da Câmara dos Representantes; e o governador da Florida, Rick Scott.

E foram más notícias para quem acreditava que o desanuviamento das relações entre os dois países só podia culminar no fim do embargo (ou bloqueio, consoante as preferências de linguagem). "Não vamos levantar as sanções até que todos os presos políticos sejam libertados, até que a liberdade de expressão e de reunião seja respeitada, até que todos os partidos políticos sejam legalizados e até que se realizem eleições livres com inspecção internacional", anunciou Trump – uma tarefa muito complicada, já que o regime cubano afirma que não há presos políticos no país.

Para além do regresso à ideia de que o embargo só poderá ser levantado depois do fim do actual regime cubano (o que trava qualquer hipótese de isso acontecer pelo menos até 2020, se o Partido Republicano continuar a controlar pelo menos uma das câmaras do Congresso), o Presidente norte-americano anunciou, de forma genérica, que vai "restringir o envio de dólares americanos para os militares e agências de segurança e reforçar as restrições ao turismo". A ideia, segundo a Casa Branca, é impedir que os dólares investidos ou gastos por empresas e cidadãos americanos em Cuba escapem às mãos dos militares, que são acusados por Washington de receberem esse dinheiro através do controlo das cadeias de hotéis e muitos outros serviços turísticos.

"Vamos tomar medidas concretas para que os investimentos sigam directamente para os cidadãos, para que eles possam desenvolver a iniciativa privada e dar ao país um futuro de prosperidade", disse Donald Trump.

Apesar deste regresso ao passado – e depois de Barack Obama ter concordado implicitamente com o fim do embargo ao dizer que isso só dependia do Congresso –, a Administração Trump decidiu manter a sua embaixada em Havana aberta. "A nossa embaixada mantém-se aberta na esperança de que os nossos países possam encontrar um caminho melhor", disse o Presidente norte-americano, depois de afirmar que o desanuviamento das relações só será possível se o Governo cubano "der passos concretos".

E quais são esses passos, para além das condições para se discutir o fim do embargo? "Ponham fim à repressão de dissidentes, libertem os presos políticos, deixem de prender activistas e entreguem os criminosos que se escondem da justiça americana."

Estava selada a ruptura com a abordagem "obamista" – enquanto durar o "trumpismo", não há conversas sobre o fim do embargo, e o céu que une Washington a Havana voltou a encher-se de nuvens carregadas. Ou, segundo as palavras do senador Marco Rubio: "Tínhamos um Presidente que dava a mão ao regime que oprime o povo cubano; agora temos um Presidente que dá a mão ao povo cubano."