Morreu o jornalista Alípio de Freitas

Foi jornalista da RTP, professor universitário, padre em Portugal e revolucionário no Brasil.

Alípio de Freitas no Alvito, terra que um dia escolheu para viver, em 2012
Foto
Alípio de Freitas no Alvito, terra que um dia escolheu para viver, em 2012 RUI GAUDÊNCIO

O jornalista Alípio de Freitas, que se destacou na luta pela liberdade e apoio aos movimentos camponeses no Brasil, morreu nesta terça-feira, em Lisboa, aos 88 anos, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Alípio de Freitas ia ser homenageado no dia 17 de Junho, num espectáculo com a participação de diversos artistas, entre os quais a filha Luanda Cozetti, a que se associou o Sindicato dos Jornalistas. O sindicato pretendia, assim, manifestar admiração “pelo percurso de lutador do seu associado”, conforme pode ler-se no site da estrutura sindical.

Alípio de Freitas, que nasceu em Bragança, foi jornalista da RTP, professor universitário, padre em Portugal e revolucionário no Brasil.

No Brasil, criou estruturas de apoio à população mais carenciada, deu aulas na universidade, participou em ocupação de terras, foi preso e torturado.

Esteve exilado no México, viveu em Cuba e regressou ao Brasil, onde foi dirigente do Partido Revolucionário dos Trabalhadores. Depois de uma detenção de quase 10 anos naquele país (1970-1979) escreveu o livro “Resistir é Preciso”.

Viajou para Moçambique, onde também apoiou os camponeses, e entrou na RTP nos anos 80, tendo permanecido na empresa até 1994.

Alípio de Freitas foi co-fundador da Casa do Brasil em Lisboa e da Associação José Afonso.

O corpo de Alípio de Freitas estará em câmara ardente a partir das 17h na Basílica da Estrela, em Lisboa.

O funeral irá realizar-se na quarta-feira, às 12h, no Alvito, no Alentejo.