Deputados por regiões, para quando?

Ultimamente no CDS o cumprimento coercivo de decisões sem serem objecto de análise, discussão e votação tornou-se uma prática corrente que traduz um défice de cultura democrática.

Os deputados da Assembleia da República são eleitos por círculos eleitorais geograficamente definidos na lei, mas serão eles verdadeiros defensores dos interesses das regiões que representam? Não, até porque grande parte nem sequer é natural das mesmas e, durante o mandato, não as auscultam nem residem lá.

Cumpre ao CDS ser fracturante nesta matéria e acabar definitivamente com casos destes na própria bancada parlamentar. Exemplos como os de Telmo Correia eleito por Braga, Pedro Mota Soares eleito pelo Porto, Teresa Caeiro eleita por Faro, quando são naturais de Lisboa e António Carlos Monteiro eleito por Aveiro ou a própria Assunção Cristas eleita por Leiria, quando são naturais de Luanda, evidenciam a manutenção dos interesses instalados pouco abonatórios à credibilidade do partido.

Nas legislativas de 2015 Teresa Caeiro chegou a pedir “desculpa” à distrital do CDS/Algarve por ser candidata a deputada: “Desculpem lá o ambiente que eu vim causar. Também não tive culpa de ser nomeada pelo Paulo Portas para a lista de Faro.”

Embora não sejam novos os critérios para a escolha dos deputados e de outros quadros do partido, ultimamente no CDS o cumprimento coercivo de decisões sem serem objecto de análise, discussão e votação pelos militantes e pelas estruturas locais, tornou-se uma prática corrente que traduz um défice de cultura democrática.

Ora a imposição dos candidatos não residentes nem naturais da região por onde são eleitos, revela-se uma desconsideração grave para com as bases, mantendo-se como motivo de contestação interna ignorada pela actual presidente.

Também a descentralização de competências para outras distritais para além da distrital de Lisboa, torna-se cada vez mais uma reivindicação a ter em conta. Está na altura de o CDS, historicamente partidário do Estado útil e da igualdade entre eleitos e eleitores, dar o exemplo aos outros partidos, de vincar a diferença e de confirmar a verdadeira democracia representativa tão sufragada por Adelino.