Portugal já é o segundo maior fornecedor de vinho ao Brasil

Os 66 produtores que participaram na primeira edição do Vinhos de Portugal, em São Paulo, encontraram gente muito interessada, e interessante. E, mais importante ainda, fizeram muito negócios.

No primeiro trimestre de 2017 o valor das exportações de vinhos portugueses para o mercado brasileiro cresceu 84,5% face ao primeiro trimestre de 2016. Um comportamento “espectacular” conseguido sobretudo pelos vinhos tranquilos, que aumentaram 93,5%, e não tanto pelo segmento do Porto – mas também estes cresceram 25,3%.

Com esta performance no trimestre, Portugal conseguiu alcançar o segundo lugar dos países de quem o Brasil mais importa vinho, estando agora com uma quota de mercado de 15,4%. Na frente deste campeonato continuam os vinhos do Chile que, muito à custa do desempenho de Portugal, caíram de uma quota de mercado de 54% para as actuais 47%.

“Não há milagres nem coincidências”, começa por afirmar Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, a associação interprofissional que gere a marca Wines of Portugal.

“Há um conjunto de factores, alguma persistência e trabalho, a começar pelo facto de o trabalho de promoção e de divulgação ter sido uma constante”, explica Monteiro. “Esforços da ViniPortugal, das Comissões das Regiões demarcadas, como o Alentejo, o Dão ou Setúbal, e também o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto. Mas também outros efeitos”, como o bom momento do turismo e a imagem reforçada por estar a sair de uma crise. “Portugal está na moda”, comenta Jorge Monteiro.

Agora deseja-se que seja um movimento sustentado. O mercado brasileiro significa apenas 4,9% das exportações de vinhos portugueses e um volume de negócios de cerca de 30 milhões de euros. A grande vantagem é que há ainda uma grande margem de crescimento.

O facto de Portugal ter conseguido “derrotar” países históricos na importação brasileira, como são a Argentina, a Itália e a França é já “uma excelente notícia”, comenta Jorge Lucki, crítico de vinhos no jornal Valor Econômico, de São Paulo.

Lucki conhece bem os vinhos portugueses e tem participado como júri internacional em muitos concursos. Fez questão de sublinhar que não fala por simpatia, mas sim por saber que Portugal “tem uma proposta diversificada e diferente”. A questão é que face aos países do Mercosul – como é o caso do Chile, que não paga taxas aduaneiras – é um campeonato diferente. “Eu gostaria muito que o Chile fosse perdendo quota, porque é muito mais interessante olhar para Tourigas nacionais, por exemplo, do que continuar a falar de Cabernet Sauvignons”. 

Dirceu Vianna Junior, Master of Wine radicado em Londres, mas que é natural do estado do Paraná, no Brasil, admite que sem essa diferenciação de taxas Portugal conseguiria rapidamente chegar ao primeiro lugar dos países a quem o Brasil compra mais vinho.

“A ligação sentimental e histórica entre o Portugal e o Brasil é muito grande. E trazer produtores com a qualidade dos que aqui estão, para estarem durante três dias em frente aos consumidores finais, a explicar como fazem esses vinhos, a história que está por detrás deles, eu não conheço país que faça um trabalho de promoção tão bom”, argumenta.

Dirceu Vianna Junior refere-se ao evento Vinhos de Portugal, que se realizou pelo quarto ano consecutivo no Rio de Janeiro, e em 2017, pela primeira vez em São Paulo. Uma co-organização do PÚBLICO e dos jornais brasileiros Globo e Valor Econômico, em parceria com a ViniPortugal.

O evento terminou no domingo e os 66 produtores portugueses que participaram no Mercado de Vinhos tiveram oportunidade de, em nove sessões de provas, mostrarem mais de 400 rótulos a um público que se mostrou “interessado” e “interessante”.

Manuel Cabral, presidente do IVDP, disse que os produtores da região do Douro, se mostraram muito satisfeitos com “o poder de compra” e o “posicionamento cosmopolita” que encontraram em São Paulo.

Francisco Mateus, da Comissão Vitivinícola regional do Alentejo, mostrou-se muito entusiasmado com a receptividade. Lembrando que o consumo per capita no Brasil é muito baixo (dois litros por habitante), considera, no entanto, que há mesmo muita margem para crescer.

“Esperamos que para o ano haja mais eventos destes em São Paulo, porque o resultado só pode ser mesmo crescer”, sublinhou.