Claques ilegais não vão levar à interdição dos estádios

Proposta apresentada pelo FC Porto na Assembleia Geral da Liga foi chumbada pelos clubes.

rcl Ricardo Castelo/NFACTOS
Foto
rcl Ricardo Castelo/NFACTOS

Acabou por ser chumbada a proposta que visava punir com a interdição do estádio os clubes de futebol que possuírem claques não legalizadas. Na segunda parte da Assembleia Geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), que começara a 29 de Maio, o quadro sancionatório proposto pelo FC Porto foi rejeitado pela maioria dos clubes presentes na reunião que decorre na sede do organismo, no Porto.

Na base do documento apresentado pelos "dragões" estava, inicialmente, um castigo que variava entre os quatro e os 12 jogos de interdição para os clubes que mantenham e apoiem claques ilegais. Essa solução foi rejeitada e uma alternativa foi discutida: dois a quatro jogos de castigo, pena que aumentaria para um intervalo de quatro a oito partidas em caso de reincidência. Resultado? Novo chumbo, num escrutínio feito por voto secreto.

Depois de, durante a manhã desta segunda-feira, terem sido discutidas alterações pontuais ao regulamento disciplinar, serão ainda debatidas durante a tarde eventuais modificações às competições organzidas pela LPFP.