Sindicatos independentes de professores desconvocam greve

Paralisação destes sindicatos estava marcada para dia 14.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Os seis sindicatos independentes de professores que convocaram uma greve para dia 14 de Junho anunciaram nesta sexta-feira que desconvocam esta paralisação, dando assim o “benefício da dúvida” ao Ministério da Educação, afirmam numa nota enviada à comunicação social.

Esta decisão foi tomada após uma reunião realizada nesta sexta-feira com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, cujos resultados foram “considerados suficientes na conjuntura actual”. Em cima da mesa estavam sobretudo questões relacionadas com o descongelamento das carreiras, a criação de um regime especial de aposentação para os docentes e o combate à precariedade na classe.

Estas são também as reivindicações que levaram a Federação Nacional de Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE) a marcar uma greve para 21 de Junho, dia de exames nacionais. Os seis sindicatos independentes não aderiram a esta convocatória por discordarem de uma greve em dia de exames.

Em relação à greve convocada pela Fenprof e pela FNE, têm-se sucedido declarações tanto da parte dos sindicatos, como do Governo, manifestando ainda esperança num acordo que permitia levar à sua desconvocação. Mas por agora existe outro pomo de discórdia com os sindicatos a oporem-se a que existam serviços durante a greve e o Governo a defendê-los. A decisão foi remetida para um colégio arbitral, que a tornará pública durante a próxima semana.