BE quer complemento para compensar corte nas pensões

Partido divulgou propostas que tem vindo a discutir com o Govenro e que quer ver contempladas no novo regime que está em discussão.

Foto
José Soeiro, deputado do BE, defende mais bonificações para quem tem carreiras contributivas acima de 40 anos Rui Gaudêncio

O Bloco de Esquerda (BE) não gostou da intransigência do ministro do Trabalho e da Segurança Social quanto às novas regras da reforma antecipada e decidiu tornar públicas as propostas que já apresentou ao Governo e que espera ver contempladas no regime que está a ser desenhado na concertação social.

Entre essas medidas está a criação de um complemento de reforma para os pensionistas a quem foram aplicadas penalizações entre Janeiro de 2014, quando o anterior Governo alterou o cálculo do factor de sustentabilidade, e Março de 2016, altura em que entrou em vigor o regime transitório de antecipação da reforma que será substituído pelo que está em discussão.

Esta reacção, disse ao PÚBLICO o deputado do BE José Soeiro, visa colocar em cima da mesa “aquilo que está verdadeiramente me discussão” e que vai além do exigência de reformas antecipadas sem cortes para quem tem 60 anos de idade e 40 de descontos.

O BE quer acabar, já em 2017, com a dupla penalização de todas as reformas antecipadas, pondo fim ao factor de sustentabilidade na Segurança Social, na Caixa Geral de Aposentações e nos casos de antecipação após desemprego de longa duração. Além disso exige que a eliminação de qualquer penalização seja alargada a todos os que começaram a trabalhar antes dos 16 anos e têm 60 anos de idade e 40 de carreira contributiva.

A idade de antecipação devem ser os 60 anos e não deve aumentar em função da esperança média de vida, e as bonificações para quem fica no mercado de trabalho depois de descontar 40 anos devem ser melhoradas.

Adicionalmente, o BE defende que as novas regras entrem em vigor em 2017 e não em três fases como defende o Governo.