Greve: “Faremos tudo para que alunos possam fazer os exames", garante ministro

Mário Nogueira diz que o Governo pode ainda mudar a data dos exames nacionais.

Foto
Nuno Ferreira Santos

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, garante que vai fazer tudo para que, no dia da greve de professores, todos os alunos possam fazer os seus exames e tudo decorra “com tranquilidade” nas escolas, disse em declarações à rádio Renascença, esta quarta-feira de manhã.

“O Ministério das Educação trabalha todos os dias para que as comunidades educativas trabalhem com estabilidade e serenidade. No dia 21 não será diferente. Faremos tudo para que nesse dia todos os estudantes possam fazer os seus exames e, acima de tudo, para que as aulas e todo o processo educativo possa acontecer em todas as escolas que ainda estão em actividade”, garantiu.

Na Renascença, o secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE), João Dias da Silva, afirmou que, caso seja possível, "até ao dia 20 de Junho, ultrapassar com o senhor ministro o bloqueio que ontem houve na reunião, há condições para que possamos encarar a possibilidade de eliminar o pré-aviso de greve”.

Quanto à garantia dada pelo ministro da Educação, o dirigente da FNE discorda e defende que os exames “podem ser feitos noutra data”, pelo que “não deverá haver determinação de serviços mínimos”. “Em última análise, se o Ministério e as organizações sindicais não chegarem a acordo, haverá um tribunal arbitral que vai determinar se vai haver serviços mínimos e, havendo, qual a sua dimensão”, afirma.

Também esta quarta-feira, Mário Nogueira desafiou o Governo a alterar a data dos exames. Em declarações à TSF, o dirigente da argumentou que o ministério ainda está a tempo de alterar as datas.

A decisão de avançar com a greve em plena época de exames nacionais foi confirmada na terça-feira. "A greve no dia 21 de Junho é inevitável, a menos que da parte do ministério da Educação exista entretanto a disponibilidade para que num compromisso escrito se definam de uma forma clara os contornos de decisões que visem, ainda que para negociação posterior, a garantia de que o descongelamento de carreiras será efectivo e para todos a partir de 1 de Janeiro de 2018", lê-se no comunicado partilhado pela Federação Nacional de Educação (FNE).

O dia 21 de Junho, data do protesto, coincide com a realização de exames de Física e Química A e Geografia pelos estudantes do ensino secundário. Este é também o dia em que os alunos do 2.º ano do ensino básico fazem provas de aferição de Matemática e Estudo do Meio.