O filme maldito de Terry Gilliam

O cineasta tenta concretizar o projecto The Man Who Killed Don Quixote desde 1998. Mas os percalços têm-se sucedido. Agora, são as filmagens no Convento de Cristo, em Tomar, que estão em causa.

VINCENT KESSLER/REUTERS
Foto
VINCENT KESSLER/REUTERS

The Man Who Killed Don Quixote é o projecto maldito de Terry Gilliam – um projecto que já teve vários protagonistas e vários guiões desde que, em 1998, o cineasta assumiu a intenção de o filmar. Há um ano, no Festival de Cannes, foi anunciada a parceria entre Gilliam e o produtor Paulo Branco que prometia finalmente viabilizar esta produção cujo historial de percalços transformou num verdadeiro estudo de caso.

De uma inundação até uma doença grave de um actor, passando por problemas com seguradoras ao longo das várias tentativas de rodagem, o Dom Quixote do autor de Brazil parecia fadado à desgraça – seria desta, com o produtor português, que o projecto iria ultrapassar os problemas? Nem por isso. Em Outubro, o divórcio entre ambos tornou-se público, com queixas de Terry Gilliam sobre falta de financiamento. Entretanto, o realizador encontrou novos produtores: a espanhola Tornasol, a belga Entre chien et Loup, a francesa Kinology e a portuguesa Ukbar Filmes.

As filmagens encetaram na Primavera e, depois de uma passagem por Portugal – que agora se revelou também ela problemática –, pareciam perto de um final feliz. Mas há duas semanas o filme viu-se novamente na imprensa, por causa do processo que opõe Branco e Gilliam quanto aos direitos de realização

The Man Who Killed Don Quixote tem um orçamento de 16,6 milhões de euros e é protagonizado por Adam Driver, Jonathan Pryce e Olga Kurylenko, além da portuguesa Joana Ribeiro.