É o planeta mais quente de sempre (e foi um português que o viu primeiro)

É tão quente que até se pensou que fosse uma estrela. Mas não, o KELT-9b é um exoplaneta muito perto da sua estrela. Um astrónomo amador português foi quem começou por observá-lo inicialmente.

Fotogaleria
Representação artística do planeta KELT-9b e a sua estrela NASA/JPL-Caltech
Fotogaleria

Este planeta não é quente, é escaldante. Do KELT-9b podemos já perceber que não é habitável. Tem à superfície cerca de 4327 graus Celsius (cerca de 2000 graus mais frio do que o nosso Sol) e é assim o exoplaneta mais quente até agora descoberto. Na verdade, é mesmo o planeta mais quente que se conhece, uma vez que o nosso Mercúrio, tão perto do Sol, fica-se pelos 425 graus Celsius e Vénus, um inferno aqui ao nosso lado, ronda os 450. Pelo menos é o que revela um artigo na edição desta semana da revista Nature, que teve o contributo de um português, ao lado de uma vasta equipa internacional.

Caso tivéssemos equipamentos tão sofisticados para o visitar, teríamos de viajar 650 anos à velocidade da luz para lá chegar. Mas se fica relativamente longe de nós, está bem perto da sua estrela: a KELT-9. Por isso, o seu ano dura um dia e meio. Se é bem quente, isso deve-se à sua estrela que tem 9897 graus Celsius.

E é gigante: tem o dobro do tamanho de Júpiter e três vezes a sua massa. Já a sua estrela é 2,5 vezes mais maciça do que o Sol e quase duas vezes mais quente. Este sistema solar é muito mais novo do que o nosso, pois tem apenas 300 milhões de anos, enquanto o nosso tem cerca de 5000 milhões de anos, disse ao PÚBLICO o autor principal do estudo, Scott Gaudi, da Universidade do Estadual do Ohio, nos EUA.

“Mostrámos que os planetas gasosos existem em órbitas de pequenos períodos à volta de estrelas muito quentes e maciças”, diz ainda Scott Gaudi sobre esta descoberta. “O planeta é mais quente do que muitas estrelas. A estrela que o hospeda é muito brilhante, então pode-se usar os telescópios espaciais Hubble, Spitzer e o [futuro] James Webb para o estudar em detalhe.”

PÚBLICO -
Foto
Representação artística do planeta KELT-9b e a sua estrela NASA/JPl/Caltech/R. Hurt/IPAC

Se agora sabemos da sua existência, isso também teve o contributo de um português. “Fui a primeira pessoa que analisou aquela suspeita de exoplaneta”, conta-nos o astrónomo amador João Gregório. Em Julho de 2014 terá feito a primeira observação e depois seguiram-se outras. João Gregório, de 56 anos, vende cozinhas e electrodomésticos de dia e à noite dedica-se à astronomia. No seu currículo já tem 14 exoplanetas.

Desde 2012 que João Gregório faz parte do programa de observação KELT (Kilodegree Extremely Little Telescope), que tem dois telescópios à procura de exoplanetas e a participação de investigadores da Universidade Estadual do Ohio, Universidade de Vanderbilt e Universidade Lehigh, todas nos Estados Unidos, bem como do Observatório Astronómico Sul-africano. No KELT fazem-se milhares de observações astronómicas e obtêm-se imagens de baixa resolução. Depois de uma primeira selecção de estrelas, resta uma lista de estrelas que podem ter planetas em redor. “Essa é a lista de que tenho acesso.”

De pantufas a viajar no Universo

Quando há uma noite limpa, começa a expedição de João Gregório em busca de exoplanetas. “Sou uma pedra do meio. Não sou o que faz a descoberta, mas dou o meu contributo.” O português analisa o brilho das estrelas e procura uma diminuição nesse brilho provocada pela passagem de um planeta à frente dela.

O observatório é na sua casa. Desde 2009 que montou o telescópio de 30 centímetros de abertura no Observatório José Canela, em Portalegre, e participa no Grupo da Atalaia desde 2002. Antes, tinha de carregar tudo no carro e ir para a Atalaia, no Montijo. “Não era prático.” Agora pode fazê-lo todos os dias. “Através da Internet, controlo o meu observatório. Estou em casa de pantufas, abro o observatório, introduzo o plano [de trabalho] que pretendo e executo-o.” Só vai a Portalegre fazer manutenções.

“Faço várias horas de observação. Há estrelas que não estão observáveis toda a noite. Aí, faço uma observação mais curta, entre três a cinco horas. Se a estrela estiver observável toda a noite, podem ser oito horas.” Diz ainda que este planeta lhe deu algum trabalho. “Parecia um planeta mas era grande de mais para ser um planeta. Daí ter de se analisar de forma exaustiva.”

Scott Gaudi também nos revela que foi difícil: “A dúvida é se era uma estrela e não um planeta quente.” Isto porque as estrelas quentes giram muito depressa, por isso foi difícil obter informação.

Além deste exoplaneta, já se descobriram mais de 3500, desde gasosos como Júpiter e Saturno, até rochosos como Mercúrio, Vénus e a Terra. O primeiro exoplaneta foi descoberto em 1995, por Michel Mayor e Didier Queloz, do Observatório de Genebra (Suíça), e estava a 50 anos-luz de distância.

Voltando ao planeta KELT-9b. João Gregório faz questão de dizer apresenta sempre a mesma face à sua estrela. E como é? Scott Gaudi diz, sem certeza, que na sua composição terá hidrogénio e hélio. “A radiação ultravioleta vinda da sua estrela é tão violenta que o planeta provavelmente se está a evaporar deixando um intenso brilho e produzindo uma cauda gasosa brilhante”, refere um comunicado da Universidade de Vanderbilt. “Parece quase um cometa”, brinca João Gregório. “Temos de imaginar uma coisa gasosa. Só gostaria de dizer que não gostaria de morar lá.”

E se este planeta é único, também João Gregório o é em Portugal. “Continuo a ser o único desde 2007, quando descobri o meu primeiro exoplaneta. Já faz dez anos!” Aí, participava no Projecto XO, com astrónomos amadores e profissionais. E muitos mais projectos e exoplanetas, espera João Gregório, virão nesta sua viagem de pantufas pelo Universo.

Notícia corrigida às 19h05 de 7/06/2017: o planeta tem rotação sobre si próprio ao contrário do que foi escrito, só que está sincronizada com a sua estrela. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações