O século XIX foi devolvido ao Jardim Botânico de Queluz

Construído no século XVIII, abandonado no século XIX, transformado no século XX e recuperado no século XXI: o Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz renasceu.

Fotogaleria
A planta do jardim de 1865 que foi agora reproduzida no terreno Torre do Tombo
Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
Margarida Basto

São pouco mais de dois mil metros quadrados em 16 hectares de jardim. De pequena escala, quando comparado com outros da mesma época, o Jardim Botânico do Palácio de Queluz ficou pronto em 1776. De lazer e recreio e não de ensino ou aprendizagem, o também conhecido por Jardim das Estufas era “uma área vivida de forma diferente”. Depois de muitas vicissitudes, renasceu agora.

A entrada das tropas francesas pela fronteira portuguesa em 1807, levaram D. João VI e a sua mãe, a rainha D. Maria I, a partirem para o Brasil no ano seguinte. No Palácio de Queluz, ficavam as 200 espécies de plantas e os ananases plantados e, a partir de então, abandonados. Em 1821, a corte regressa a Portugal e realoja-se em Queluz.

Mais de um século depois, em 1940, o jardim perdeu a sua função e foi transformado em roseiral. Já em 1953, 1967 e 1983, as fortes cheias encarregaram-se de destruir e degradar o que restava do Jardim das Estufas — o “golpe da misericórdia” estava dado e, em 1984, o Jardim Botânico foi desmontado e transformado em picadeiro da Escola Portuguesa de Arte Equestre.

Uma nova oportunidade

Aos olhos da Parques Sintra em 2012, este pequeno jardim foi encarado como uma “prioridade”. A investigação histórica e as sondagens arqueológicas para o total restauro do Jardim Botânico começaram há cinco anos. Mas esta nova vida trouxe para a modernidade tudo o que há de antigo.       

Na Torre do Tombo, Nuno Oliveira e Marta Alves descobriram um desenho do Jardim Botânico de 1865, que “não deu para fazer totalmente igual, mas foi a base de todo o projecto”, explica a coordenadora da obra.

Pedras, cantarias, azulejos, estátuas e até uma grande peça em chumbo foram descobertas durante as escavações pelos 16 hectares de espaço verde do Palácio de Queluz. O projecto ganhou ânimo. “Reparámos que tínhamos os elementos originais do jardim, o que se revelou determinante para perceber que podíamos fazer a reconstrução”.

Depois das fissuras recuperadas e de algumas peças replicadas, o Director Técnico para o Património Natural, da Parques de Sintra, Nuno Oliveira, garante que “tudo é original, menos a estrutura das estufas”.

Pelos caminhos em saibro granítico que separam os 24 canteiros delineados por plantas de murta, chega-se às quatro estufas de plantas exóticas e de cultivo de ananases, que se impõem no jardim organizado simetricamente em torno delas. O centro do jardim, com sistema de rega automatizado, é marcado por um lago, tal como na cartografia de 1865, onde se destacam quatro estátuas de cães perdigueiros e uma figura em chumbo no meio.   

Mas nenhum pormenor foi esquecido. A partir de um Index (lista) de Manuel de Moraes Soares de 1789, descobriram-se o nome das 200 espécies existentes na época no jardim. A colecção botânica que povoa o jardim neste momento inspira-se nessa lista e mais de metade já tem sementes plantadas. Os canteiros estão classificados pelas 24 ordens de plantas — em latim —  de Carlos Lineu (que dividiu e classificou as plantas de acordo com o seu sistema sexual e estrutura reprodutiva).

Desde as mais vulgares como o tomilho, o alecrim ou a mandioca aos mais exóticos como o ananás, muitas espécies tiveram de vir de Inglaterra, França, Holanda, de viveiros nacionais e de outros jardins botânicos de modo a cumprir com o máximo rigor a lista do século XVIII.

Este “puzzle gigante” demorou dois anos a estudar e a procurar evidências e mais de dois a montar e envolvendo o trabalho de cerca de 20 técnicos. O projecto obedece aos regulamentos de segurança em vigor, o que significa que “a estrutura é robusta o suficente para aguentar possíveis cheias ou inundações”, explica Marta Alves. 

A manutenção dos dois mil metros que conjugam património natural e construído será garantida pela Parques de Sintra. Vários séculos mais tarde a nova oportunidade ao jardim outrora abandonado está dada e todos podem ir ver se valeu a pena a partir da próxima terça-feira, dia 6 de Junho.

Texto editado por Ana Fernandes     

Notícia corrigida às 11h41 de 28 de Junho: onde se lia "Pedro III", passa a ler-se "D. João VI".