Opinião

Que estranho mundo vai de Caracas a Riade

O diabo está na Venezuela. Não está nos cárceres israelitas. Nem nas prisões a céu aberto das mulheres sauditas.

Há fenómenos muito estranhos neste mundo. Sempre houve. Desde há milénios. Porém, nesses tempos remotos o mundo não se conhecia. Para lá do Cabo Bojador só havia água a ferver com monstros que Gil Eanes despedaçou com vontade de aço e o mundo abriu-se ao mundo. Mas o estranho não é só a estranheza do que acontece, mas o modo como o mundo encara certas situações.

Na Venezuela, Nicolás Maduro foi eleito por sufrágio direto e universal. A legitimidade do poder presidencial e a do poder parlamentar resultaram de eleições livres. É a democracia a funcionar e a liberdade de os cidadãos se manifestarem a favor ou contra o Presidente Maduro.

Há manifestações violentas. Há quem queime adversários e outros que atiram pedras e cocktails molotov. Alguns disparam. O cenário é de grande violência. Há quem não goste de Maduro, como não gostavam de Chávez. Há quem goste do líder da oposição. Há crise. Há falta de bens essenciais. O regime atribui essa falta à queda do preço do petróleo, mas a verdade é que muita, muita gente não está satisfeita e manifesta-se.

E, no entanto, a cada dia que passa, Maduro eleito não passa de um perigoso ditador. Assim são envelopadas as notícias que chegam daquele país que alberga a sorte de centenas de milhares de portugueses que a não tiveram em Portugal.

Noutro quadrante, no reino saudita, os grandes deste mundo vão vender armas, centenas de milhares de milhões de euros em armas para sustentar o regime que não só interdita qualquer sinal de manifestação como invade e bombardeia outros, designadamente o Iémen.

Mas além de não permitir qualquer tipo de manifestação, viola brutalmente os mais elementares direitos humanos, como seja o direito a rezar de acordo com a sua religião nos seus locais de credo negado a mulheres e homens, o direito de cada mulher se vestir como entender, o direito a circular, o direito a conduzir veículos, o direito a aceder a cuidados médicos, direitos estes negados às mulheres.

Na Venezuela, o povo pode manifestar-se e qualquer mulher pode vestir como quiser, circular livremente, conduzir carros e ir à mesquita ou igreja ou sinagoga.

E é de uma grande estranheza que o senador McCain considere que o grau de perigosidade da Rússia é muito superior ao do Daesh. Assim, sem mais nem menos. Para o senador, os ataques terroristas do Daesh em Manchester, Londres, Paris, Bruxelas ou São Petersburgo, os castigos como a amputação de membros, a lapidação, a crucificação, o queimar pessoas vivas fazem daquela organização uma entidade menos perigosa que a Rússia… segundo ele por interferir nas eleições americanas.

Isto é, os EUA têm uma agência (CIA) só para se ingerir nos assuntos internos de outros Estados, incluindo para assassinar chefes de Estado. A Rússia, pelos vistos, segundo o senador, tenta interferir para que os candidatos mais ao jeito de Moscovo ganhem eleições; exatamente o que a CIA faz em todo o mundo, como recentemente na Ucrânia. É estranho vindo do país que mais intervenções militares externas realizou.

Mas é ainda estranho que um país aliado do ocidente possuidor da bomba nuclear (à má fila) tenha largos milhares de prisioneiros palestinianos nas suas cadeias por se oporem à ocupação de territórios árabes-palestinianos, enquanto, neste mundo, do lado de cá, se glorificam os que combatem as autoridades russas ou chinesas ou venezuelanas, sendo que no caso de Israel este Estado viola o direito internacional ao não reconhecer a independência da Palestina, reconhecida pela comunidade internacional.

Nos telejornais aparecem diariamente emigrantes portugueses vindos da Venezuela queixando-se da falta de alimentos e medicamentos. E têm razão. Mas países vizinhos onde a maioria da população não tem acesso a medicamentos nem a habitação, vivendo abaixo do limiar da pobreza, nunca são nomeados. O diabo está na Venezuela. Não está nos cárceres israelitas. Nem nas prisões a céu aberto das mulheres sauditas e dos homens que eventualmente manifestem a sua discordância em relação ao regime.

Se se pensar que, no pior dos cenários, na Venezuela há liberdade de reunião, associação, manifestação e que no reino saudita não há o mínimo de liberdade, então cabe perguntar que mundo é este que se inclina de modo tão “pragmático” para a Arábia Saudita e hostiliza a Venezuela, como se fosse uma cruel ditadura?

Trump fez um “great”, “great” negócio com os sauditas vendendo-lhe 110 mil milhões de dólares de armamento para que este reino absolutista e impiedoso domine a região, mesmo à custa do esmagamento do Iémen e do apoio aos jihadistas da Síria.

Há escassez de medicamentos na Venezuela. É de facto um problema sério. Mas se houver medicamentos nas farmácias da Arábia Saudita e não for permitido às mulheres comprá-los sem a presença masculina, não é ainda mais estranho?

A crise venezuelana explica a escassez. Haverá eleições e o povo escolherá. No reino saudita há medicamentos e há quem não os possa comprar, tendo dinheiro. E não há eleições. Há decapitações à sexta-feira.

Macron, em Versalhes, desembainhou a sua argumentação justamente junto de Putin acerca da perseguição aos homossexuais na Chechénia. Será que faria o mesmo na presença do rei saudita, onde os homossexuais podem ser condenados à morte?

Os países da União Europeia, em vez de percorrerem caminhos que apontem, seja onde for, para a proteção dos direitos humanos, vão à compita com os EUA para vender armas e obter certas matérias-primas aos “nossos” ditadores. Estranho que não se estranhe.

O autor escreve segundo as normas do novo Acordo Ortográfico