PS escolhe vice-presidente da câmara para candidato a Vila do Conde

António Caetano esteve na calha há quatro anos para ser candidato, quando os socialistas optaram por Elisa Ferraz.

Foto
Manuel Pizarro acredita numa vitória do PS em Vila do Conde JH JOAO HENRIQUES

O PS já tem candidato à Câmara de Vila do Conde. Chama-se António Caetano e é o actual vice-presidente do executivo, que tutela os pelouros do Urbanismo e Ordenamento do Território, Regeneração Urbana, Obras Municipais, Segurança Pública e Protecção Civil.

Nas últimas autárquicas, o nome de António Caetano esteve em cima da mesa para liderar a candidatura do PS.

A decisão foi encontrada depois de a comissão política concelhia do PS de Vila do Conde ter chumbado, na semana passada, as exigências da presidente da câmara, Elisa Ferraz, eleita há quatro anos como independente na lista do PS. No dia 25 de Maio, na reunião da concelhia, Elisa Ferraz disse que só estaria disponível para ser candidata pelo PS se pudesse escolher os seis primeiros da lista à câmara os 17 primeiros da lista à assembleia municipal e ter “voz activa” na escolha dos candidatos às juntas de freguesia.

As exigências da presidente de câmara incomodaram os socialistas que se apressaram a dizer que Elisa Ferraz inviabilizou qualquer hipótese de entendimento. “Não era possível este ‘cheque em branco’”, afirmou, no final da reunião, o presidente da comissão política concelhia e ex-presidente da câmara, Mário Almeida, que, em Março, havia proposto o nome de Elisa Ferraz para ser, de novo candidata pelos socialistas.

Pouco antes da reunião da estrutura concelhia se iniciar, Mário de Almeida retirava da ordem de trabalhos o ponto que tinha a ver com a votação do cabeça de lista por desconhecer se a autarca aceitava ou não recandidatar-se pelos socialistas "com base nos princípios do PS e com os nomes sugeridos [por um grupo de trabalho nomeado pela concelhia] para a câmara e juntas".

Em declarações ontem ao PÚBLICO, o líder da distrital do PS-Porto, Manuel Pizarro, reiterava que foi “Elisa Ferraz quem se pôs de fora", com as condições que impôs. “Ela foi convidada e está no seu direito de aceitar ou de recusar”, afirmou, sublinhando que “o PS em Vila do Conde cumpriu escrupulosamente a orientação nacional do partido, convidando a actual presidente de câmara a recandidatar-se ao próximo mandato”. “Nós não temos uma visão unipessoal do exercício da actividade política. A câmara municipal é e deve ser um órgão plural que representa o conjunto da sociedade vila-condense é apenas isso que está em causa”, acrescentou o também candidato à Câmara do Porto.

Convicto de que o PS sairá vencedor na noite eleitoral do dia 1 de Outubro, Manuel Pizarro sustenta o seu optimismo no trabalho dos socialistas nas décadas em que a autarquia foi liderada por Mário de Almeida. “As pessoas de Vila do Conde sabem muito bem o trabalho que o PS fez ao longo dos últimos 40 anos para valorizar a cidade numa combinação genial de preservação e memória com modernidade e, ao mesmo tempo, para desenvolver as freguesias melhorando a qualidade de vida das pessoas”, sublinhou.

O dirigente socialista refere ainda que “as pessoas de Vila do Conde sabem bem o devem ao PS e têm uma profunda ligação com o PS, que é ao mesmo tempo politica e afectiva”. Seja como for, Pizarro reconhece que a ruptura com Elisa Ferraz “transformou uma vitória evidente num combate político” que será difícil, mas que não abala as suas certezas. “A minha convicção profunda é que o PS ganhará, porque o partido tem uma ligação ao povo de Vila do Conde que não é uma relação furtiva”.