Edward Snowden aplaudido de pé no Estoril

Exilado na Rússia, o americano que denunciou as práticas ilícitas dos espiões da NSA emocionou-se ao ver entusiasmo da plateia, que instou à resistência face aos ataques dos governos à privacidade dos cidadãos.

Fotogaleria
Edward Snowden falou nas Conferências do Estoril por videoconferência Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Edward Snowden foi aplaudido de pé nesta terça-feira nas Conferências do Estoril, depois de ter defendido que não são os terroristas que ameaçam os direitos fundamentais dos cidadãos. “Os terroristas sempre existiram e não nos odeiam por sermos livres. São incapazes de destruir os nossos direitos. Os direitos perdem-se quando os políticos tomam decisões em cima do joelho para sobreviverem mais um mandato”, declarou, numa intervenção por videoconferência, a partir da Rússia. O analista de sistemas de 33 anos foi declarado inimigo público pelos EUA depois de ter revelado os abusos cometidos pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla norte-americana) ao nível da vigilância dos cidadãos. 

“Não podemos ficar à espera de um político que nos salve. Somos nós, enquanto sociedade, que temos de resolver os problemas. É preciso metermos mãos à obra, agirmos e mudarmos o mundo. Passo a passo”, disse Snowden, que se emocionou quando as centenas de pessoas presentes no centro de congressos do Estoril o aplaudiram.

Numa intervenção centrada no direito à privacidade, o analista de sistemas explicou como os governos “constroem monopólios para ter acesso aos detalhes mais íntimos da nossa vida privada” – como ele próprio fez, quando trabalhava para agência de espionagem norte-americana NSA.

"A lei não nos defende, nós é que defendemos a lei. E, quando a lei trabalha contra nós, cada um de nós tem a incumbência de a deitar abaixo. Não lutámos em revoluções nos nossos países pelo acesso a políticas secretas ou regulamentação, lutámos para estabelecer direitos universais e esses direitos estão ameaçados", avisou. "Os direitos perdem-se com leis cobardes, que são aprovadas em momentos de pânico." E porque a verdadeira democracia passa também por os cidadãos estarem bem informados, Edward Snowden deixou mais um apelo: “Devemos resistir por todos os meios possíveis para garantir a liberdade de imprensa.”

Sugerir correcção