Passos visita Hospital de Faro e faz o diagnóstico: "há tempos de espera a crescer"

Líder do PSD esteve toda a manhã em visita ao centro hospitalar do Algarve e disse que é preciso colocar esta unidade no "topo das prioridades" definidas pelo Governo para novos investimentos.

Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro LUSA/LUÍS FORRA
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro LUSA/LUÍS FORRA
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro LUSA/LUÍS FORRA
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro LUSA/LUÍS FORRA
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro
Pedro Passos Coelho com Luís Montenegro de visita às instalações do Hospital de Faro LUSA/LUÍS FORRA
Fotogaleria

Foram três horas de visita em que o líder do PSD ouviu queixas de médicos e de enfermeiros do Centro Hospitalar do Algarve, em Faro. No final, Pedro Passos Coelho resumiu o diagnóstico – “há tempos de espera a crescer” – e deu a receita: é preciso colocar esta unidade no "topo das prioridades" definidas pelo Governo para novos investimentos.

No âmbito das jornadas parlamentares do PSD, a decorrer no Algarve, Passos Coelho deu conta aos jornalistas de que as preocupações no centro hospitalar do Algarve “são transversais” às de todo o país como a “falta de recursos humanos” e a falta de investimento na saúde em 2016 por parte do Governo, o que leva a crescer os tempos de espera, em especial na cirurgia e nos exames complementares. Lembrando que a dívida dos hospitais está a “aumentar, o líder do PSD fez o contraponto com o discurso do Governo: “Há uma retórica que não casa com a realidade”, afirmou o líder social-democrata, defendendo que é preciso “melhorar com realismo e não com demagogia”. Exemplo disso é a necessidade de um hospital novo no Algarve – admite – mas também disse acreditar que “não há dinheiro” para o construir pelo menos para já. De qualquer forma, Passos Coelho criticou o facto de o Governo não ter colocado o centro hospitalar do Algarve no topo das prioridades definidas pelo Governo para novos investimentos na saúde.

O que se pode fazer para já no Algarve – acrescentou – é reforçar o investimento para minimizar algumas consequências na resposta aos utentes e também “aperfeiçoar o modelo de organização” do centro hospitalar que juntou, no anterior Governo, as duas unidades – Portimão e Faro. “Do lado de médicos e enfermeiros foi me dito que há trabalho a fazer” nessa área, afirmou o líder do PSD.

Depois de falar aos jornalistas, no recinto do centro hospitalar, Passos Coelho foi abordado por duas utentes que pediram mais médicos e enfermeiros para o hospital. “No Verão é impossível”, desabafou uma delas.