Borussia e Tuchel, o divórcio após um “longo processo”

Treinador ainda tinha mais uma época de contrato. Receberá indemnização estimada em 2,9 milhões

Thomas Tuchel tinha contrato até 2018
Foto
Thomas Tuchel tinha contrato até 2018 Reuters

No sábado havia sorrisos, abraços e celebrações – o Borussia Dortmund tinha conquistado a Taça da Alemanha, o primeiro troféu do clube em três anos. Menos de 72 horas depois, em comunicado, era anunciada a saída do treinador Thomas Tuchel: “O Borussia Dortmund não entrará em detalhes sobre as razões para esta separação, que resulta de um processo continuado e que mereceu o apoio de todos os corpos sociais”, podia ler-se.

Mas os detalhes acabariam por surgir dadas as críticas dos adeptos ao despedimento do técnico: “Há valores fundamentais como a confiança e o respeito. A capacidade de comunicar e trabalhar em equipa, a fiabilidade e lealdade. Com Thomas Tuchel vivemos dois anos de sucesso, mas não são só os resultados que importam. Nem sempre houve sintonia entre a direcção e a equipa técnica”, afirmou em comunicado o director-desportivo do Borussia, Hans-Joachim Watzke, acrescentando: “Infelizmente, deixámos de acreditar que a equipa técnica nos desse bases para uma colaboração futura assente na confiança.”

As relações entre Thomas Tuchel, que há dois anos chegara ao Borussia para substituir Jürgen Klopp, e Hans-Joachim Watzke estariam a degradar-se há algum tempo. No ano passado o clube deixou sair três dos jogadores mais importantes (Mkhitaryan, Gündogan e Hummels). Já esta época, o mal-estar foi evidente na sequência do ataque com engenhos explosivos ao autocarro da equipa, antes do jogo dos quartos-de-final da Liga dos Campeões com o Mónaco. O jogo foi adiado para o dia seguinte, aparentemente sem que os responsáveis técnicos tivessem sido consultados.

Segundo o jornal alemão Bild, Thomas Tuchel, de 43 anos, vai receber uma indemnização de 2,9 milhões de euros. “Estou grato por dois anos bonitos, intensos e entusiasmantes. É pena que não continuemos. Obrigado aos adeptos, à equipa, ao staff e a todos os que nos apoiaram. Desejo o melhor ao Borussia”, escreveu o técnico na rede social Twitter.

Apontado como um dos mais promissores treinadores do futebol mundial (chegou a ser falado como possível sucessor de Arsène Wenger no Arsenal), Tuchel sentiu dificuldade em conquistar a empatia dos adeptos do Borussia e estabelecer uma relação emocional com eles. Para além de ter sofrido sempre com a comparação com Klopp – se este conquistava as bancadas com o seu magnetismo e até costumava beber cerveja com os adeptos, Tuchel era visto como frio e arrogante. A dúvida se essa postura mais distante se estendia também à direcção ficou agora desfeita.

Sugerir correcção