Crónica de jogo

A festa voltou a ser “encarnada”

Benfica conquistou a “dobradinha” pela 11.ª vez na história, erguendo a Taça de Portugal duas semanas depois de garantir o título de campeão nacional. Jiménez e Salvio fizeram os golos frente ao V. Guimarães.

Os festejos do primeiro golo do Benfica no Jamor, com Jiménez com uma máscara no rosto
Fotogaleria
Os festejos do primeiro golo do Benfica no Jamor, com Jiménez com uma máscara no rosto Miguel Lopes/Lusa
Fotogaleria
Jiménez, o autor do primeiro golo do Benfica LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Um momento do jogo entre Benfica e V. Guimarães LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Zungu pouco depois de ter marcado o golo do Vitória LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Ederson felicitado pelos companheiros LUSA/MANUEL DE ALMEIDA
Fotogaleria
Um lance na final da Taça de Portugal LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Adeptos do Benfica LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
Adeptos do V. Guimarães LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

Pela segunda vez em duas semanas, o Benfica bateu o V. Guimarães e celebrou a conquista de um troféu. Mas não foi uma repetição da história: se, na penúltima jornada da Liga NOS, os “encarnados” golearam por 5-0 para celebrarem o quarto título consecutivo de campeão nacional, neste domingo, na final da Taça de Portugal, a equipa de Rui Vitória não contou com facilidades para impor-se pela margem mínima (2-1). Os golos do Benfica surgiram no início da segunda parte, por Raúl Jiménez e Salvio, com a resposta vimaranense a caber a Zungu, na recta final do encontro. Já demasiado tarde para impedir o emblema da Luz de completar a 11.ª “dobradinha”.

A festa voltou a fazer-se em tons de vermelho, tal como acontecera há duas semanas, e também no início da época, quando a equipa de Rui Vitória conquistou a Supertaça. O treinador que, há quatro anos, conduziu o V. Guimarães ao triunfo sobre o Benfica na final da Taça, desta vez garantiu que o troféu não escaparia aos “encarnados”. Numa tarde de chuva intensa no Jamor, não houve dilúvio de golos e a luta sobrepôs-se à arte. Mas a eficácia permitiu ao emblema da Luz vencer a 77.ª edição da Taça de Portugal e celebrar mais uma conquista.

A superioridade esmagadora do Benfica sobre o V. Guimarães no passado recente (nove golos marcados e zero sofridos nos três confrontos da temporada) não se confirmou no Jamor. Mas, depois de 45 minutos cinzentos, os “encarnados” foram demolidores no início da segunda parte e sentenciaram a partida. A reacção vimaranense, nos derradeiros minutos, ainda deixou os adeptos de respiração suspensa. Mas o final do encontro provocou o início da festa, nas bancadas e no relvado. O V. Guimarães foi o último adversário derrubado pelo Benfica para erguer pela 26.ª vez a Taça de Portugal, num percurso que incluiu Estoril, Leixões, Real Massamá, Marítimo e 1.º Dezembro.

Rui Vitória apresentou o “onze” que se esperava, mas não demorou a ter uma contrariedade que o obrigou a mexer na equipa: Fejsa ficou lesionado num lance com Marega e teve de ser substituído por Samaris (24’) – o grego até está suspenso por quatro jogos, mas o recurso apresentado pelo Benfica suspendeu o castigo.

As circunstâncias fizeram com que o Benfica, lento e previsível, demorasse a aproximar-se da baliza de Miguel Silva. Pelo contrário, a equipa de Pedro Martins criou as situações mais perigosas e foi a melhor numa primeira parte intensa. Com Bruno Gaspar em destaque, os vimaranenses ameaçaram em várias ocasiões: Marega atrapalhou-se e não conseguiu fazer o remate após bom trabalho do lateral direito (16’), Hernâni ensaiou um remate acrobático que Ederson defendeu (27’), Rafael Miranda cabeceou muito perto após canto (28’) e Raphinha, depois de Nélson Semedo falhar a intercepção ao cruzamento de Bruno Gaspar, também falhou (30’).

Estava a assistir-se ao guião oposto ao visto há duas semanas, na Luz, quando os “encarnados já venciam por 4-0 ao intervalo. Mas o início do segundo tempo serviu para desfazer as dúvidas: em duas incursões, a equipa de Rui Vitória fez dois golos e deixou a final decidida. Tudo começou com um remate de Jonas que Miguel Silva não conseguiu segurar – o guardião defendeu para a frente, deixando a bola à mercê de Jiménez, que com um toque de classe a fez passar por cima dele e celebrou com uma máscara de luta livre mexicana. As bancadas entraram em erupção e cinco minutos depois o Benfica fez o 2-0, com Salvio a cabecear sem hipóteses para o guarda-redes, após cruzamento de Nélson Semedo na direita.

O Benfica continuou com o pé no acelerador e aos 56’ pediu-se penálti na área vimaranense. Hugo Miguel nada assinalou e, depois de um momento de consulta com os seus assistentes, terá recebido indicações do videoárbitro (a final da Taça foi o primeiro jogo na história do futebol português com a tecnologia em pleno funcionamento) que confirmaram a sua decisão. Jonas acertou na trave após grande trabalho de Grimaldo pela esquerda (66’).

Os minutos corriam contra a equipa de Pedro Martins, que ainda assim conseguiu dar sinal de vida: Raphinha descobriu Texeira, que ficou a milímetros do golo. Mas, no canto que daí resultou, o V. Guimarães reduziu a diferença no marcador. Zungu, perante a passividade da defesa “encarnada”, saltou mais alto e cabeceou para o 2-1.

Foi o suficiente para reacender-se a esperança vimaranense e arrefecer a festa dos adeptos benfiquistas. Mas até ao final as situações mais flagrantes foram dos “encarnados”, com destaque para um falhanço incrível de Jiménez, que só tinha de empurrar a bola que Pizzi lhe ofereceu. Atirou por cima, mas daí a instantes estava a fazer a festa com os companheiros.

Figura do Jogo - Raúl Jiménez

O primeiro tempo não tinha sido fácil para o Benfica e o jogo prometia complicar-se na segunda parte. Mas, numa tarde de chuva intensa no Jamor, a equipa de Rui Vitória viu surgir um raio de sol com o golo de Raúl Jiménez que permitiu desbloquear a partida. O mexicano, pleno de oportunidade, foi o mais rápido a responder à defesa incompleta que Miguel Silva tinha feito ao remate de Jonas. Com um toque de classe, fez a bola passar por cima do guarda-redes vimaranense e deu início aos festejos nas bancadas. Depois, de forma completamente inesperada, sacou de uma máscara de luta livre mexicana para celebrar o golo. Jiménez trazia dentro dos calções a máscara do “luchador” “Sin Cara”, e, apesar do falhanço incrível no derradeiro instante da partida, os adeptos não terão qualquer dúvida na hora de atribuir ao mexicano o mérito de ter aberto caminho ao triunfo.

Sugerir correcção