Nem todos os clubes podem contar com o “12.º jogador”

Total de espectadores do campeonato português voltou a subir. Há vários casos de clubes cuja classificação na I Liga não tem reflexo na posição que ocupam no ranking das assistências

As bancadas do Estádio da Luz foram as que tiveram mais espectadores ao longo da última época
Foto
As bancadas do Estádio da Luz foram as que tiveram mais espectadores ao longo da última época NUNO FERREIRA SANTOS

Há um denominador comum aos 15 jogos que tiveram maiores assistências no campeonato português: o Estádio da Luz. Pelo recinto do Benfica passou mais de um quarto do total de espectadores que a Liga NOS registou na temporada 2016-17. O máximo foi atingido na penúltima jornada, no derradeiro jogo em casa da equipa de Rui Vitória, que recebeu o V. Guimarães e garantiu a conquista do quarto título consecutivo de campeão nacional – 64.591 espectadores estiveram nas bancadas da Luz, elevando o total da época para 951.184. Os “encarnados” tiveram uma média de 55.952 espectadores por jogo nas partidas em casa para o campeonato.

À liderança na tabela da Liga NOS juntou-se o domínio no ranking dos espectadores – o Benfica foi o emblema que mais gente levou ao estádio, mas houve clubes em que o desempenho do “12.º jogador” não coincidiu com a classificação no campeonato. Por exemplo, FC Porto e Sporting: os “dragões” terminaram em segundo lugar, mas ficaram em terceiro no que à média de espectadores diz respeito, atrás dos “leões”. Alvalade recebeu 727.121 espectadores (média de 42.772), enquanto pelo Dragão passaram 631.202 (média de 37.130), mostram as estatísticas oficiais da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Há mais casos no campeonato português de clubes cujos adeptos não corresponderam ao bom desempenho da equipa – ou que, pelo contrário, marcaram presença no estádio mas não foram recompensados com resultados. O Belenenses é o melhor exemplo desta situação: oitavos no ranking de espectadores (estiveram 68.799 no Restelo, a uma média de 4047 por jogo), os “azuis” terminaram a Liga NOS no 14.º lugar, quatro pontos acima da zona de despromoção.

No extremo oposto destacaram-se Feirense e Estoril, que mesmo sem o contributo do “12.º jogador” conseguiram classificações honrosas. No regresso ao principal escalão, os “fogaceiros” conseguiram a melhor classificação da história (oitavo lugar) mas ficaram-se pela 13.ª melhor média de espectadores (50.517 no total, média de 2972). Já o emblema da Linha, décimo classificado, foi apenas 16.º no campeonato das assistências (os 17 jogos na Amoreira tiveram 38.668 espectadores, à média de 2275 por partida).

PÚBLICO -
Aumentar

Ao terceiro ano de campeonato alargado a 18 equipas, o número de espectadores voltou a crescer. Na época 2016-17 os estádios da Liga NOS receberam 3.622.372 de adeptos, o que dá uma média superior a 11.800 por encontro – um aumento de quase 10% relativamente à temporada anterior, que terminara com um total de 3.305.708 espectadores nos 18 recintos.

Contudo, a média de mais de 11.800 espectadores por jogo é inflacionada pelos números dos três ditos “grandes” do futebol português: apenas o V. Guimarães consegue juntar-se-lhes com um registo de assistências acima da média (18.756 por jogo). Os 51 jogos na Luz, Dragão e Alvalade atraíram 2.309.507 espectadores (média de 45.284), enquanto nos 255 jogos disputados nos restantes estádios estiveram 1.312.865 de pessoas nas bancadas – à média de 5148 por encontro.

A pior média de espectadores pertence ao despromovido Arouca, cujo estádio recebeu apenas 29.030 adeptos em toda a época – uma média de 1708 pessoas por jogo, indicam os dados da LPFP, que fica aquém de cinco emblemas da II Liga (Académica, Famalicão, Leixões, Portimonense e V. Guimarães B). Foi uma quebra assinalável relativamente à temporada passada, em que o Arouca terminou no quinto lugar, qualificando-se para as competições europeias, e em que teve uma média de 2883 espectadores nos jogos caseiros do campeonato. O clube esteve em cinco dos seis jogos com menos assistência da Liga NOS 2016-17, mas livrou-se da partida que menos gente teve nas bancadas: foi o Moreirense-Belenenses, da 16.ª jornada (a uma segunda-feira à noite), que só atraiu 640 espectadores.

Porém, o Estádio Municipal de Arouca não foi aquele cujas bancadas estiveram mais despidas tendo em conta a capacidade do recinto. As piores taxas médias de ocupação pertencem a dois históricos do futebol português: no Restelo, onde joga o Belenenses, foi de 25,5%. Pior só mesmo o Bessa, casa do Boavista, com 22,24% de ocupação média.

Sugerir correcção