A electrónica de Gas e Lawrence English no Semibreve

Os alemães Gas e Rabid Beaini e o australiano Lawrence English são alguns dos nomes que irão estar no festival Semibreve de Braga, a acontecer em Outubro.

Foto

O projecto Gas, uma ideia que o alemão Wolfgang Voigt tem vindo a desenvolver desde 1996 ao longo de cinco álbuns, é o grande destaque da segunda fornada de nomes que são agora revelados para integrar o cartaz do festival Semibreve de Braga, que acontece de 27 a 29 de Outubro, dedicando-se às sonoridades menos previsíveis de cariz electrónico.

O músico, produtor, fundador da editora Kompakt e figura central das electrónicas das últimas décadas através da adopção de inúmeros pseudónimos, regressou há semanas com um novo álbum do pseudónimo Gas, intitulado Narkopop, numa viagem pela electrónica mais densa mas vaporosa, com o batimento cardíaco de um tecno em câmara-lenta revestido de uma camada ambiental, num todo planante. O projecto será apresentado em concerto audiovisual, com incidência no último álbum.

Outros nomes assegurados para actuar no festival são os do também alemão Rabih Beaini, voz solitária das músicas electrónicas que se situa entre as linguagens mais exploratórias e a música de dança, bem como a do compositor, artista e curador Lawrence English, que na sua obra questiona as relações estabelecidas entre som, harmonia, distorção e estrutura.

As pioneiras da electrónica, Laurie Spiegel e Beatriz Ferreyra, também estarão presentes. A segunda é uma conhecida compositora electroacústica argentina que irá no contexto do evento manipular um sistema de difusão multicanal, enquanto a primeira apresentará uma instalação com a sua nova composição para a peça de vídeo Maya Deren: Prelude to Generating a Dream Palette de Peter Schmideg.  Os portugueses Sabre, algures entre o house com influências psicadélicas, juntam-se também ao programa de um acontecimento que já contava com as confirmações de Deathprod, Valgeir Sigurõsson, Fis e Kyoka.