A terminar a competição, não apareceram bombas

Fatih Akim, François Ozon, Sergei Loznitsa, Naomi Kawase: quase a terminar, sente-se que o alinhamento da 70.ª edição foi tirado a ferros.

Fotogaleria
L'Amant Double, de François Ozon DR
Fotogaleria
In the Fade, de Fatih Akim DR
Fotogaleria
Une Femme Douce, de Sergei Loznitsa DR
Fotogaleria
Vers la Lumière, de Naomi Kawase DR

Uma alemã (Diane Kruger) perde o marido, de origem turca, e o filho num ataque bombista perpetrado por um grupo de extrema-direita. Mas a decisão do julgamento não lhe permite fechar o trabalho de luto e ela decide fazer justiça pelas próprias mãos. O cineasta Fatih Akim, alemão de origem turca, não esconde que a sua empatia está com a personagem de Katja, porque ela é o corpo daquilo que pode estar adormecido em cada um de nós – o justiceiro – e, segundo o próprio realizador, “deve continuar adormecido”. O problema é que In the Fade (concurso) não tem capacidade de questionar esse sentido de justiça de Katja, o que poderia fazer, o que deveria fazer, mesmo estando emocionalmente com ela – aliás, como Katja não se descola da sua dor. Os grandes cineastas e os grandes filmes conseguem, In the Fade não. No mínimo ideologicamente ambíguo, cinematograficamente é básico, não é nenhuma bomba, todo dependente de um pronto-a-filmar (quase que se adivinham os movimentos de câmara), sem “olhar” que se sobreponha ao mecanismo. E Diane Kruger não dá qualquer espessura à personagem, é um pronto-a-interpretar.

Sergei Loznitsa faz, depois do documentário Austerlitz, livremente inspirado em W. G. Sebald, uma ficção, livremente inspirada em Dostoiévski: Une Femme Douce (concurso). Que, na verdade, dá continuidade à viagem pela Rússia profunda de My Joy (2010), mas com o peso alegórico de No Nevoeiro (2012). O pesadelo kafkiano de uma mulher para conseguir levar comida ao marido na prisão – marido que, ela mantém, está inocente (mas alguém diz que todos os que ali estão presos desconhecem a razão) –, é uma entrada pelo “castelo” de Vladimir Putin. Mas, desastradamente (e isso mesmo para além da tão discutida sequência de sonho que dura 20 minutos), tem a insuflada pompa de cinema oficial.

Naomi Kawase já é, oficialmente, cineasta humanista de Cannes. Mas as razões da sua quinta presença em concurso continuam a ser tão intrigantes como as anteriores: Vers la Lumière, encontro entre uma jovem que trabalha numa empresa que prepara a descrição dos filmes para espectadores com problemas de visão e um maduro e grave invisual, vai direitinho ao pôr-do-sol.

E François Ozon vai direitinho ao interior de uma vagina logo no primeiro plano de L’Amant Double. Depois é sempre a subir, ou a descer, não interessa: mesmo a terminar o festival caiu um filme que se exibiu hilariante, mesmo se não se consegue distinguir se a sala ria com ele ou dele. Ozon até se pode ter rido ao tomar-se, com a ligeireza com que veste mesmo uma gravidade, por Brian de Palma ou David Cronenberg nesta história da relação entre uma mulher perturbada (Marine Vacth) e o seu psicoterapeuta (Jérémie Renier). Mas “despacha” clichés da perversão erótica como se não houvesse amanhã, se calhar como reacção ao filme de “ontem”, o casto Frantz; falta-lhe mergulhar em vez de acumular, os actores acabam a fazer figuras ingratas, e não há nada perigoso, incómodo, complexo, intrigante ou que suscite a mínima curiosidade – continua a ser o filme de um “betinho”.

Assim se confirmam, quando se aproxima o final da competição e do festival, os sinais dados pelo delegado-geral Thierry Frémaux no anúncio da programação: isto foi tudo tirado a ferros.