Opinião

Juventude bloqueada? Velhas causas e novos desafios (II)

Individualismo e coletivismo tornaram-se elementos decisivos e indissociáveis da atual juventude.

O plural “juventudes” será provavelmente mais apropriado, até porque só em momentos extraordinários esta categoria sociológica pode emergir como sujeito coletivo. Entre a diversidade individualista e o grito de uma rebelião de massas pode distar apenas um pequeno passo, ou seja, entre os ambientes de consumo, alienação e excesso e as formas mais abertas de protesto coletivo existem vínculos socioculturais que importa não menosprezar. A juventude já o demonstrou em diferentes épocas e continua a mostrá-lo no dia-a-dia, embora muitas vezes em latitudes distantes e fora das nossas preocupações eurocêntricas.

O potencial das novas gerações só pode compreender-se justapondo o passado e o presente. As lutas marcantes da segunda metade do século XX, incluindo meios tão diversos como organizações bombistas ou ações de massas, ideologias tão díspares como os grupos anarquistas, socialistas, nacionalistas, leninistas, maoistas, etc., povoaram o imaginário coletivo desde o pós-II Guerra. E nem a implosão das velhas utopias nem a chegada das novas promessas e ameaças da globalização neoliberal afastaram o protagonismo da juventude do palco dos acontecimentos sociais e políticos à escala mundial. Fosse com os movimentos de resistência à repressão e os mártires caídos em luta, fosse pela simplicidade desarmante do movimento hippie, das flores no cabelo e do “make love not war”, os estilos de vida constitutivos da juventude moderna impuseram viragens decisivas, linguagens e reportórios inovadores nas democracias ocidentais.

É claro que não existe homogeneidade. A idade não apaga as diferentes classes sociais, condições económicas e de status que constituem a herança, desde o berço, que marca as trajetórias pessoais de cada um. Para entendermos estas atmosferas no seu sentido profundo é necessário atentar no significado político das culturas juvenis. Neste puzzle tão policromático, a marca da juventude pode metamorfosear-se, mas a irreverência persiste (ainda que fora dos eixos da política). Oriundos de bairros periféricos das grandes metrópoles ou das famílias instaladas e bem-comportadas das classes médias urbanas, grupos de jovens e adolescentes podem tornar-se focos de agitação e criatividade. Ainda adolescentes, são socializados pelas redes sociais, transportam no bolso a nova parafernália de gadgets informáticos e deixam-se levar na vertigem de um mundo encantatório, povoado por figuras como o Pokémon ou entram em esquemas de bullying virtual, matéria fácil para redes criminosas de assédio e jogos perigosos que os levam à automutilação ou até ao suicídio (Baleia Azul). Esses são sem dúvida temas sociais significativos e nos quais se projeta a sociedade no seu conjunto.

Tal como a delinquência e o crime não são exclusivo dos que transportam o anátema da “marginalidade”, também a criatividade cultural e a capacidade performativa não são exclusivo de segmentos ricos em capital educacional. Por exemplo, os “Rolezinhos” e outras formas de arte de rua, em cidades como São Paulo, exprimem bem as lutas identitárias da juventude suburbana. Por outro lado, grupos de teenagers, ainda que oriundos de estratos privilegiados, excedem-se frequentemente em ambientes de farra, podem violentar e humilhar colegas ou mesmo vandalizar serviços e instituições. Em dinâmicas de grupo como por exemplo as praxes académicas, as claques de futebol ou em viagens de finalistas, estamos perante jovens “normais” que, atraídos pelo magnetismo do coletivo, são capazes de cometer os piores excessos e loucuras sem se darem conta disso, a não ser após as coisas descambarem para a tragédia.

Há uma espécie de oscilação pendular entre este tipo de fenómenos de “anomia” e as ações de protesto coletivo, que tende a alternar-se em função das crises, esperanças e bloqueios que em cada ciclo se atravessam no horizonte das camadas jovens. Acresce que, no seio dos grandes palcos da rebelião, o dramatismo e a festa convivem lado a lado. Das últimas décadas do século XX à entrada no novo milénio, de Tiananmen a Seattle, de Paris a Santiago do Chile, de Londres a São Paulo, de Atenas a Madrid, de Kiev a Nova Iorque, a Primavera Árabe, o Maidan, o Occupy Wall Street, os Indignados, a Geração à Rasca e o Que se Lixe a Troika, o Movimento Passe Livre, etc., são todos eles nomes que invocam lugares e movimentos reveladores do protagonismo da juventude e da sua relevância sociopolítica nas mais diversas latitudes e momentos históricos. Em Portugal, lembramo-nos bem do slogan de 2011 “Precários nos querem, rebeldes nos terão!”, gritado no momento em que se intensificava o flagelo da precariedade, cujo alvo principal é a juventude. Em sucessivos protestos, ocupações e manifestações de rua nas últimas décadas, foram os jovens, com os seus iPhones, as suas selfies e vídeos, que rapidamente contaminaram o ciberespaço “público” e mobilizaram milhões. O hedonismo e o narcisismo não desaparecem perante a indignação coletiva. Individualismo e coletivismo tornaram-se elementos decisivos e indissociáveis na própria estruturação identitária da atual juventude.

Hoje, quando a “opinião publicada” é geralmente tão pessimista em relação a cenários de futuro, um estudo recente (Generation What?) sobre atitudes e práticas da juventude europeia em cerca de 30 países trouxe-nos alguns dados curiosos: 62% dos jovens europeus afirmam-se dispostos a integrar um levantamento geral contra os governos; 57% concordam que a UE é um projeto necessário ou o único que lhes pode oferecer um futuro; 76% afirmam sentir-se “europeus” (em Portugal, 79%); 63% preocupam-se com o crescimento do nacionalismo na Europa; 71% afirmam ter amigos noutros países europeus; 62% dizem-se otimistas quanto ao futuro; 91% são contra as injustiças; 62% contra o individualismo; 84% afirmaram que podem ser felizes fora do seu país natal (em Portugal 85%); 74% concordam que a crise económica afetou as suas vidas; 83% não confiam nos políticos (em Portugal 87%); 89% concordam que a banca e o dinheiro governam o mundo; e 80% sabem que não se alcança o sucesso sem alguma solidariedade.

Estes dados são bem ilustrativos do sentido cosmopolita e humanista de que a atual juventude internacional é portadora. Sem dúvida que estão em marcha profundas transformações sociais e estas incluem não apenas os momentos de rutura e conflito, mas também os períodos de sedimentação de novas referências e valores, até que novos paradigmas e modos de vida ganhem visibilidade. Há uma revolução lenta e silenciosa que está em curso, nomeadamente devido ao efeito dos cerca de cinco milhões de bolsas Erasmus ao longo de três décadas. E esta juventude, que nasceu e cresceu em democracia, habituada à mobilidade transnacional, que domina em pleno os novos meios informáticos e que usa as plataformas interativas como o principal meio de socialização, informação e politização, é a geração que está a forjar o mundo de amanhã. Um mundo onde a imprevisibilidade e fluidez das relações obedecem a novos critérios; um mundo onde o sentido do tempo, as formas de trabalho e de lazer se estão a alterar radicalmente. Um mundo onde as novas tecnologias, a robótica, a Internet das Coisas, etc., estão a alterar os nossos modos de vida, mas no qual o individualismo e a desafetação dos laços sociais no face-a-face dificilmente podem ser substituídos por essa nova simbologia difundida pelas redes virtuais do ciberespaço. Como a juventude de amanhã reafirmará a sua vontade e capacidade transformadora no plano cívico-político-cultural é uma questão para a qual as “bolas de cristal” da inteligência artificial ainda não têm uma resposta.

O autor escreve segundo as normas do novo Acordo Ortográfico