Assange fica na embaixada do Equador. Tem medo de ser preso pelos britânicos

Suécia abandonou processo contra fundador do WikiLeaks. Mas continua a recear ser extraditado para os EUA, que o querem julgar pela maior fuga de informação da história.

Julian Assange falou na varanda da embaixada do Equador em Londres
Foto
Julian Assange falou na varanda da embaixada do Equador em Londres Peter Nicholls/REUTERS

Os procuradores suecos que investigavam a acusação de violação contra Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, arquivaram o processo, encerrando uma batalha judicial que se arrastava há sete anos. Mas o australiano não vai sair ainda da embaixada do Equador em Londres. "A verdadeira guerra está apenas a começar", disse num breve discurso aos apoiantes e aos media, feito da varanda da embaixada.

Assange continua a recear ser preso pela polícia britânica e extraditado para os Estados Unidos, onde seria julgado por ter revelado informação classificada. A polícia prometeu fazê-lo, embora ele diga que tem direito a pedir asilo político. "É inevitável que haja uma investigação sobre esta terrível injustiça. Porque a realidade é que a detenção e extradição sem acusação tornou-se uma característica da União Europeia", declarou o editor do Wikileaks.

O Governo do Equador pediu a Londres para que garantisse passagem segura a Julian Assange. A primeira-ministra, Theresa May, respondeu que isso é um "assunto da polícia". 

Assange protagonizou uma das maiores fugas de informação da História dos EUA, ao divulgar mais de 252 mil telegramas de embaixadas norte-americanas em todo o mundo, que foram desviadas pelo militar Bradley Manning - agora Chelsea Manning. 

A procuradora-geral sueca, Marianne Ny, decidiu parar a investigação preliminar à suspeita de violação, lê-se no comunicado oficial, sem avançar grandes pormenores sobre os motivos dessa decisão. Menciona apenas "obstáculos". Assange, de 45 anos, está a viver na embaixada do Equador em Londres desde 2012, para evitar a extradição para a Suécia. Ele sempre alegou que existiam motivações políticas nas acusações de que era alvo e temia que a Suécia o extraditasse para os EUA.

"Hoje tive uma importante vitória", declarou Assange. "Mas esta semana tivemos uma vitória ainda mais importante, que foi a libertação de Chelsea Manning, após sete anos na prisão", recordou.Manning foi condenada a 35 anos, mas foi perdoada por Barack Obama, após sete anos de pena.

Chelsea Manning, quando ainda era Bradley Manning, foi a fonte dessa gigantesca fuga de informação do Departamento de Estado e de mais alguns ficheiros do Pentágono, que contrabandeou de uma base militar no Kuwait, onde estava colocado, num CD-ROM identificado com sendo de Madonna. 

Já refugiado na embaixada do Equador, Assange continuou a divulgar documentos secretos no Wikileaks, sempre gerando polémica - e por vezes teve problemas com os seus hospedeiros, que lhe cortaram o acesso à Internet em Outubro do ano passado, pouco tempo antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Isto porque durante a campanha presidencial norte-americana, o WikiLeaks divulgou documentos com impacto para a candidata Hillary Clinton - que era secretária de Estado dos EUA quando ele divulgou os documentos que lhe foram entregues por Manning -, como os e-mails do seu director de campanha, John Podesta. Muitos sugeriram que o Wikileaks de Assange terá eventualmente sido o veículo de divulgação dos hackers russos, ou ligados ao Governo russo que se terão infiltrado nos servidores informáticos do Partido Democrata.

Depois de ser conhecida a decisão da Suécia, Assange fez um post no Twitter em que prometia vingança. "Detido sete anos sem acusação formada enquanto os meus filhos crescem sem mim e o meu nome é alvo de calúnias. Não me esqueço nem perdoo", escreveu o australiano.