Torne-se perito

Caminhos de Santiago podem ser um importante produto turístico do Norte

Documento financiado por fundos comunitários “Caminho Português de Santiago no Norte de Portugal” compila três estudos elaborados

Foto
FERNANDO VELUDO/ NFACTOS

Os Caminhos de Santiago podem ser um importante produto turístico da região norte de Portugal, mas isso obriga à requalificação das infraestruturas, homogeneização da sinalética, formação de acolhimento ao peregrino e coordenação de investimentos entre entidades, salienta um estudo.

“Podem constituir um importante produto turístico da região norte se desenvolvido de forma a garantir, ao longo de toda a sua extensão, uma experiência turística integral e de qualidade”, conclui o documento “Caminho Português de Santiago no Norte de Portugal”, que compila três estudos elaborados pela Hidria, Naturbarroso e arquiteto Rui Ramos Loza, cofinanciados por fundos comunitários.

Uma das conclusões é de que existe uma grande “diversidade e variabilidade” dos tipos de marcas utilizadas na sinalização dos caminhos, sendo muito delas usadas para a mesma função variando em formas e materiais de construção.

Por isso, é essencial uma homogeneização da sinalética associada a estes traçados, guiando-se pelas normas em vigor para a região da Galiza, sustenta.

“Associado ao processo de substituição das marcas atualmente existentes a realizar com esse objectivo deve estar o desenvolvimento de um manual de identidade que estipule as regras de utilização, localização e colocação das novas marcas a distribuir a todas as entidades que venham a ser responsabilizadas pela sinalização dos Caminhos de Santiago na região (associações, juntas de freguesia, municípios ou outras)”, salienta o documento.

O grau de utilização, as condições climatéricas, o desgaste da sinalética e o possível vandalismo obriga a uma manutenção, no mínimo anual, indica.

Outra das alterações apontadas é uma maior formação daqueles que acolhem os peregrinos, de modo a poderem responder, da melhor forma, às necessidades deste “tipo de turista”.

A remodelação e potenciação das infraestruturas de apoio ao peregrino, como por exemplo o acesso à Internet, também integra a lista das mudanças a implementar para potenciar os caminhos no Norte do país.

É preciso uma maior coordenação de investimentos e acções entre as diferentes entidades que têm competência nos caminhos, nomeadamente autarquias locais, entidades que, actualmente, estão sensibilizadas e dispostas a intervir no desenvolvimento dos caminhos no seu território.

Outra das conclusões do estudo é que para que a candidatura do Caminho Português de Peregrinação a Santiago a Património da Humanidade, pelos municípios do Eixo Atlântico, seja bem-sucedida é indispensável a criação de uma entidade gestora com “capacidade agregadora e de liderança”, algo que ainda não tem.

Neste momento, há um movimento significativo de entidades interessadas em promover a candidatura, mas não há uma plataforma de articulação dessas entidades, referiu.

“A previsão de um timing e de um orçamento alerta para a necessidade de dois anos e meio e de cerca de 350 mil euros, em recursos financeiros ou serviços prestados pelos parceiros, para elaborar um processo de candidatura consistente”, sublinhou.

O estudo salienta que o caminho português tem “carácter e autenticidade” que lhe permitirá ser candidatado à inclusão na lista da Unesco do património imaterial da humanidade.

O bem a candidatar não tem apenas características exclusivamente imateriais, mas também um importante conjunto de bens materiais associados a ele, que valorizam a candidatura, considera.

Os Caminhos de Santiago estão classificados como Património da Humanidade pela Unesco, em Espanha e França. Em Portugal detêm o estatuto de Itinerário Cultural Europeu.

Sugerir correcção