Blanchard já não quer corte nos salários e desaconselha descida rápida do défice

Ex-economista chefe do FMI vê Portugal num processo lento de retoma, em que já se verificam ganhos de competitividade e em que é preciso investir para garantir mais produtividade.

Olivier Blanchard está preocupado com descida registada no investimento público em Portugal
Foto
Olivier Blanchard está preocupado com descida registada no investimento público em Portugal ENRIC VIVES-RUBIO

Passados 11 anos desde a sua análise profunda à economia portuguesa, o economista Olivier Blanchard já não defende que seja necessário o país proceder a um corte dos salários nominais para recuperar a competitividade do país e diz que o desempenho das exportações mostra que Portugal está a caminhar lentamente no bom sentido e que o melhor é não cortar o défice e dívida demasiado rápido e fazer investimentos que realmente aumentem a produtividade. Um perdão de dívida é visto como desaconselhável.

Presente em Portugal para participar na conferência “Portugal, Form Here to Where?”, o ex-economista-chefe do FMI fez, em conjunto com o economista Pedro Portugal, uma actualização do estudo que tinha publicado em 2006 sobre a economia nacional. Nessa altura, quando faltavam poucos anos para o deflagrar da crise financeira internacional e, depois, da crise da dívida soberana do euro, que lançou Portugal numa recessão profunda, Olivier Blanchard alertou para o problema de grande perda de competitividade que o país enfrentava e lançou uma proposta polémica: empresas, governo e trabalhadores chegarem a um entendimento para um corte acentuado dos salários nominais.

A proposta tinha como objectivo fazer com que, num cenário em que a política cambial estava indisponível, os produtos portugueses voltassem a ser competitivos, evitando que o país atravessasse um período longo de crescimento lento e desemprego alto. A ideia foi recebida de forma muito pouco entusiástica pelos responsáveis políticos portugueses, incluindo o então governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio.

Agora, passados 11 anos (que incluíram vários trimestres de recessão económica profunda, novos recordes na taxa de desemprego e um programa de resgate da troika), Blanchard voltou a analisar o país. E as recomendações que faz agora são bem diferentes das de 2006.

No estudo que apresentou esta sexta-feira na conferência, o economista francês já não considera necessário realizar cortes de salários nominais. Porquê? Porque a economia já se encontra noutra fase, de recuperação tímida, em que o problema já não está tanto na competitividade, mas sim na baixa produtividade. Blanchard mostra-se surpreendido com o desempenho das exportações nacionais e vê nisso um sinal de que se verifica uma recuperação da competitividade. E, num cenário em que o endividamento é tão elevado, um corte nos salários poderia tornar esse problema ainda mais crítico.

O cenário que antecipa neste momento é o de uma continuação lenta da retoma da economia, recomendando para isso que a consolidação orçamental não seja feita de forma muito rápida, especialmente não sacrificando o investimento público que, alerta, caiu para níveis demasiado baixos. Olivier Blanchard defende que se medidas como mais investimento tiverem um efeito positivo no crescimento credível, o eventual efeito negativo imediato nas contas públicas será compreendido pelos mercados.

O economista, que actualmente está no Peterson Institute for International Economics, desaconselha contudo que Portugal avance para uma reestruturação de dívida, dizendo que o país consegue gerir esse problema sozinho, mesmo quando as taxas de juro eventualmente ficarem mais elevadas.

Outras recomendações de política que deixa a Portugal é a resolução, mesmo com mais despesa pública, do problema do crédito malparado na banca e a realização de reformas no mercado dos produtos e, de forma prudente, no mercado de trabalho, com o objectivo de aumentar a produtividade.