Estaremos preparados para uma ameaça biológica?

Simulou-se esta sexta-feira um acidente com uma viatura com materiais perigosos, no Regimento de Lanceiros nº2, na Amadora.

No cenário simulado
Foto
No cenário simulado DR

Dois veículos ligeiros chocam no município da Amadora. Há dois feridos ligeiros e sabe-se que uma das viaturas transporta matéria perigosa e contagiosa, nomeadamente bactérias. Este é um cenário simulado, mas levanta questões na mesma: de que forma devemos reagir? E sobretudo, estaremos preparados para resolver esta ameaça? Na manhã desta sexta-feira, na parada do Regimento de Lanceiros N.º 2, na Amadora, o Elemento de Defesa Biológica, Química e Radiológica do Exército fez uma demonstração das suas capacidades num acidente como este, juntando oito entidades e observadores internacionais.

O cenário da simulação estava montado, cerca 50 agentes da protecção civil já estavam a postos e os dois carros já tinham embatido. O primeiro passo foi ligar para o 112 e os primeiros a chegar ao local do acidente foram os Bombeiros Voluntários da Amadora. Identificaram, através do símbolo de perigo biológico, que um veículo de uma transportadora privada tinha substâncias perigosas e delimitaram três zonas: a “zona quente”, a “zona intermédia” e a “zona limpa”. No local, encontraram também dois feridos ligeiros.

Também não tardou muito até que a Polícia de Segurança Pública chegasse, cortasse a circulação rodoviária e delimitasse o local, para onde se dirigiram também os Serviços Municipais de Protecção Civil. Depois de estabilizarem o condutor do veículo “contagioso”, este revela que as substâncias (a bactéria a Yersinia pestis e a Bacillus anthracis) tinham como destino a Alemanha, por meio aéreo.

PÚBLICO -
Foto
Os dois veículos do acidente DR

Os bombeiros concluem que não conseguem tratar da situação. Então, esgotados os meios locais, foi necessária a intervenção do Elemento de Defesa Biológica, Química e Radiológica do Exército. Logo procederam à descontaminação. Entretanto já na zona quente, entram os militares com um fato especial e uma máscara facial com filtro de partículas. Verificam se houve algum derrame das substâncias perigosas e abrem o porta-bagagens do veículo. Confirma-se o derrame: por isso, é necessário descontaminar a viatura.

Depois de todos os procedimentos, a equipa sai da zona próxima do veículo e começa a descontaminação do pessoal e do material. Se assistimos a esta demonstração em cerca de 15 minutos no regimento da Amadora, num cenário real demoraria muito mais. E entretanto, a PSP restabelece a circulação. Por perto, nesta simulação, estiveram também representantes da Direcção-Geral da Saúde, da Agência Portuguesa do Ambiente, o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, do Campus Tecnológico e Nuclear do Instituto Superior Técnico, da Força Aérea e observadores internacionais, como Filippa Lentzos, do King’s College de Londres, e Glenn Lolong, da Organização Mundial da Saúde.

Ao nível das melhores da Europa

Depois da demonstração, o tenente-general Faria Menezes assistiu da tribuna à simulação. “O que vimos hoje aqui é um sinal do futuro. Ou seja, diversas agências a responderem a uma ameaça e a deixarem os cidadãos bem protegidos”, disse depois aos jornalistas, explicando a importância destas demonstrações. “A ameaça não pode ser tomada como improviso. O que fazemos é ter os cenários, as forças prontas e vemos as sinergias com as várias entidades. Tudo isto é pouco perante a ameaça. Estes exercícios servem para criar as sinergias.” E garantiu que as capacidades apresentadas esta sexta-feira estão “ao nível das melhores da Europa”.

À frente desta demonstração esteve a major Ana Silva, que nos diz que o planeamento já estava a ser feito desde Fevereiro e que os cenários de simulação são criados de forma a serem “os mais reais possíveis”. “Os pretextos são avaliados à medida que a ameaça se vai alterando, mas o foco do Exército é estar preparado e estes exercícios visam-no”, declarou aos jornalistas.

Ora esta sexta-feira foi o culminar do exercício Celulex, que treina o Exército na resposta a incidentes que envolvam perigos de contaminação, e que decorreu entre 15 e 18 de Maio, na região de Fonte da Telha, no distrito de Setúbal. Envolveu 150 pessoas, desde equipas que participaram no planeamento, coordenação, avaliação ou apoio real, informa a major.

E para que serve tudo isto? “O cidadão fica mais informado sabendo que nos treinamos para estas ameaças”, diz a major Ana Silva, acrescentando que também permite motivar os militares. “Quanto maior for a moral, a preparação e o militar acreditar que está preparado, melhor é toda a resposta e a cooperação interagências.”