Rapaz de 11 anos mostra como brinquedos ligados à Net podem ser usados contra crianças

Demonstração chocou especialistas ao gravar uma mensagem num urso de peluche em minutos, com um pouco de programação e um minicomputador barato.

Há brinquedos com ligação à Internet que trazem câmaras e microfones capazes de gravar mensagens
Foto
Há brinquedos com ligação à Internet que trazem câmaras e microfones capazes de gravar mensagens DANIEL ROCHA

Em apenas alguns cliques, um rapaz de 11 anos do Texas, EUA, conseguiu aceder aos dispositivos móveis de uma plateia de especialistas de cibersegurança para “sequestrar” um ursinho de peluche. O objectivo: provar que o podia transformar num dispositivo de espionagem de casas alheias. À semelhança de outros brinquedos modernos (por vezes chamados “inteligentes”), o peluche incluía um dispositivo de bluetooth e microfone. Ou seja, podia ser utilizado para gravar mensagens de voz e monitorizar os locais. 

“De exterminadores robóticos a ursinhos de peluche, qualquer coisa, qualquer brinquedo pode tornar-se uma arma”, concluiu Reuben Paul, ao acabar a simulação do ciberataque perante profissionais estupefactos na One Conference 2017, uma conferência de cibersegurança na Haia, na Holanda.

O processo demorou minutos. Paul – conhecido por ser uma criança-prodígio em informática – subiu ao palco para falar sobre aparelhos ligados em rede, mas preferiu uma demonstração sobre os seus perigos.

Ligou o seu portátil ao minicomputador Raspberry Pi (um aparelho do tamanho de um cartão de crédito, cujo modelo mais caro custa cerca de 31 euros, e é também utilizado para ensinar informática a crianças) para procurar no auditório dispositivos com o bluetooth ligado e ter acesso a dezenas de números de telefone da assistência. Depois, utilizou a linguagem de programação Python para ter acesso ao urso de peluche através de um daqueles números e para gravar uma mensagem.

“A maioria dos objectos com ligação à Internet vem com uma funcionalidade de bluetooth. Apenas mostrei como é que nos podemos ligar e enviar comandos”, explicou Paul, mais tarde, em declarações à agência France Presse. Para Paul, qualquer objecto ligado à Internet representa um risco. Podem ser utlizados para roubar informação pessoal (como passwords e documentos importantes), para espiar pessoas e para descobrir onde é que alguém está através do sistema de GPS. Porém, para Paul, a grande preocupação é com os brinquedos modernos: “O brinquedo pode dizer [a uma criança]: ‘Vem ter comigo a este local e eu estarei lá para te ir buscar’”.

Já há casos reais do problema. Em Fevereiro, a Spiral Toys, uma empresa que comercializa peluches ligados à Internet, e que tem como funcionalidade a gravação de mensagens por parte das crianças e dos seus pais, revelou que foram divulgadas online mais de 800 mil credenciais de clientes e dois milhões de mensagens gravadas. O aviso chegou aos clientes dois meses depois de o problema ter sido detectado.

A missão de Paul tem sido alertar mais pessoas para estes problemas. Apesar da idade, já é o director executivo da CyberShaolin, uma empresa sem fins lucrativos que os pais o ajudaram a fundar, com o objectivo de “informar crianças e adultos sobre os perigos da ciberinsegurança”. A mensagem destina-se também aos próprios fabricantes. Afinal, o mercado global dos chamados "brinquedos inteligentes" deve ultrapassar os dez mil milhões de euros até 2020, segundo previsões da empresa de análise de mercado Juniper Research. 

Paul ambiciona formar-se em Cibersegurança no MIT ou CalTech, duas universidades de topo nos EUA.