Chelsea Manning está em liberdade. Falta investigar violações de direitos humanos

Amnistia Internacional pede investigação ao "tratamento vingativo" aplicado à militar norte-americana, condenada a 35 anos de prisão por passar documentos confidenciais à WikiLeaks.

Reuters/HANDOUT
Foto
Reuters/HANDOUT

Chelsea Manning, a militar norte-americana que foi condenada a 35 anos de prisão por transmitir documentos confidenciais à WikiLeaks, foi libertada esta quarta-feira, segundo confirmaram as Forças Armadas dos EUA, depois de Barack Obama lhe ter reduzido a pena, numa das últimas decisões que tomou antes de deixar a Casa Branca. A Amnistia Internacional celebra a data e aproveita para apelar a uma investigação independente às potenciais violações de direitos humanos durante este período.

“Hoje é um dia pelo qual milhares de activistas da Amnistia Internacional por todo o país e pelo mundo fizeram campanha durante todo o cruel calvário de Chelsea Manning”, diz Margaret Huang, directora-executiva da organização nos EUA, em comunicado.

Huang garante, no entanto, que a luta não termina aqui: “O tratamento dado a Chelsea é especialmente desagradável uma vez que ninguém foi responsabilizado pelos supostos crimes que ela trouxe à luz. Enquanto celebramos a sua liberdade, continuaremos a exigir uma investigação independente sobre as potenciais violações dos direitos humanos que ela expôs e a criar protecções para garantir que os informadores como Chelsea nunca mais sejam submetidos a um tratamento tão terrível”.

Chelsea Manning — então Bradley Edward Manning — foi condenada a 35 anos de prisão por transmitir, no total, 700 mil documentos confidenciais à WikiLeaks, naquela que foi a maior fuga de informação de sempre nos EUA.

Presa há sete anos, Chelsea Manning já tentou suicidar-se duas vezes na cadeia. Os advogados consideraram no ano passado que os maus tratos que sofreu, desde a detenção em 2010, e a pena de prisão de 35 anos, estavam “a desmoralizar e a desestabilizar a sua saúde e humanidade”.

A Amnistia Internacional fala de “tratamento vingativo”. “O tratamento vingativo das autoridades dos EUA a Chelsea Manning, depois de ter exposto potenciais transgressões militares é um triste reflexo dos extremos até onde os que estão no poder muitas vezes vão para impedir que os outros falem”, continua Margaret Huang.

“A libertação de Chelsea mostra, mais uma vez, que o poder das pessoas pode triunfar sobre o injustiça — uma mensagem inspiradora para os muitos activistas corajosos que defendem os direitos humanos por todo o mundo que estão no coração de uma nova campanha global”, conclui a responsável da Amnistia Internacional em território norte-americano.