Na Educação, Portugal volta a ser um exemplo para a OCDE

OCDE quer que a voz dos estudantes também conte para a definição de um novo sistema educativo e por isso pretende replicar noutros países o que o Ministério da Educação fez em Portugal: ouvir os alunos.

Alunos do 1.º ciclo ao secundário foram ouvidos em Novembro pelo Ministério da Educação
Foto
Alunos do 1.º ciclo ao secundário foram ouvidos em Novembro pelo Ministério da Educação Fábio Augusto

É a segunda vez em cinco meses que Portugal é apontado como um exemplo na área da Educação pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Aconteceu em Dezembro por causa da evolução dos resultados dos alunos portugueses de 15 anos nos testes PISA, realizados pela OCDE para aferir a literacia em leitura, matemática e ciências. Acontece agora de novo porque o Ministério da Educação decidiu ouvir os alunos no âmbito da definição de um novo perfil de competências à saída da escolaridade obrigatória e da flexibilização curricular que está a ser preparada.

“Claro que há muitos professores e directores que ouvem os seus estudantes diariamente. Mas quando se trata de o fazer de forma estruturada, com o objectivo de incorporar os seus contributos na definição das políticas e práticas educativas, ainda é um fenómeno raro”, explicou ao PÚBLICO o director do Departamento de Educação e Competências da OCDE, Andreas Schleicher.

O Ministério da Educação apelidou a iniciativa como “A Voz dos Alunos”. O encontro decorreu em Leiria, em Novembro, e reuniu dezenas de alunos do 1.º ciclo ao ensino secundário, de vários pontos do país. Agora, a OCDE pretende replicar o projecto noutros países e, com esse objectivo, vai promover nesta terça-feira o seu lançamento internacional em Lisboa, durante a sessão de abertura de mais um encontro dos peritos da organização no âmbito do programa Educação 2030. Esse programa tem como objectivo conceber novos currículos escolares de modo a responder a um mundo em constante mudança e à aquisição de competências consideradas indispensáveis “para a formação dos cidadãos do século XXI”.

Na sessão desta terça-feira voltarão a estar alguns dos alunos que em Leiria disseram ao ministro da Educação o que fariam se estivessem no seu lugar e também jovens de vários países, que irão debater a mudança dos currículos e da escola com os portugueses. “Se os sistemas educativos conseguirem levar em conta as ideias e capacidades dos seus alunos e professores, tal poderá ajudar na construção de uma melhor educação. Por isso o que Portugal está a fazer neste campo é realmente importante”, adianta Schleicher, em respostas por escrito ao PÚBLICO. 

Na apresentação da sessão de Leiria, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, também lembrou que “tradicionalmente os alunos não são ouvidos em contexto de gestão curricular”, acrescentando que aquele encontro visava “corrigir esta prática”.

Que escola querem ter?

Este foi também um passo já dado pela Finlândia, que elegeu como ponto de base da sua reforma educativa, iniciada no ano passado, o compromisso de que os alunos serão ouvidos na definição dos currículos, uma premissa que os responsáveis da Educação finlandeses consideram essencial para aumentar a motivação dos estudantes pela escola.

No encontro de Leiria, os estudantes convergiram no retrato da escola que querem ter: mais aulas práticas, mais debates, mais trabalhos de grupo, mais visitas de estudo, possibilidade no secundário de poderem escolher disciplinas em vez de áreas compartimentadas, mais arte, mais cidadania, maior ligação à prática, mais espírito crítico, turmas mais pequenas, professores motivados e que não desistam dos alunos.

O Ministério da Educação apresentou entretanto um novo perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória (que está ainda a ser ultimado para acolher os contributos da consulta pública que decorreu até Março) e definiu um programa de flexibilização curricular que se iniciará no próximo ano sob a forma de projecto-piloto só em algumas escolas. E os contributos apresentados pelos alunos em Leiria aparentemente não irão ser esquecidos, nomeadamente no que diz respeito a uma maior flexibilidade do currículo e a um maior peso das áreas de experimentação, cidadania e artes (ver entrevista com o ministro nestas páginas).

Mudar o ensino

Por agora ainda nada destas mudanças foi testado no terreno. E essa será a grande prova porque, para ser realmente posto em prática, o que está enunciado implicará uma mudança da escola e do ensino, frisa Schleicher. “As escolas são muito boas nas classificações do talento humano, mas no século XXI precisam de ser melhores em desenvolvê-lo. No sistema escolar tradicional, os professores estão na sala de aula com uma série de prescrições sobre o que devem ensinar. Os professores e as escolas do futuro têm de olhar para fora e colaborar com os outros docentes e com outras escolas”, refere o responsável a OCDE.

Mas as diferenças não acabam aqui. “O passado centra-se na divisão: temos professores e conteúdos divididos por disciplinas e estudantes separados por áreas. E o passado é também isolamento: as escolas foram concebidas para deixar o resto do mundo lá fora. Já o futuro precisa de integração e de ligação com o mundo real.”

O passado também é “hierárquico, com os estudantes na posição de receptores e os professores na figura de fonte dominante”, enquanto o futuro passa por “personalizar as experiências educativas de modo a reforçar a motivação e os talentos dos alunos”. “Tudo isto tem profundas implicações para o ensino e os professores”, frisa o responsável da OCDE.

A necessidade desta mudança está a ser sentida em muitos países da OCDE, acrescenta Schleicher, adiantando que este é um dos trabalhos em curso no âmbito do programa Educação 2030. Mais uma vez, refere este responsável, Portugal está em linha com estas preocupações, como demonstra o novo perfil do aluno que, segundo ele, responde no essencial ao que a OCDE já definiu como sendo as competências-chave para o século XXI.

O director do Departamento de Educação da OCDE aponta alguns problemas já detectados no modo de ensinar que precisamente contrariam estas novas competências que se quer que existam: “Os resultados do PISA mostraram que os estudantes portugueses se tornaram bons na reprodução dos conteúdos. Mas ficam ainda aquém quando se trata de extrapolar aquilo que sabem de modo a aplicar os seus conhecimentos em novos contextos. E isto é cada vez mais importante.”