Entre as minas e as praxes: cinemas do real vencem IndieLisboa

Palmarés 2017 é encimado por duas longas de estreia: Viejo Calavera, do boliviano Kiro Russo, e Encontro Silencioso, do português Miguel Clara Vasconcelos.

Fotogaleria
Viejo Calavera, de Kiro Russo DR
Fotogaleria
Arabia, de Affonso Uchôa e João Dumans DR
Fotogaleria
Encontro Silencioso, de Miguel Clara Vasconcelos DR
Fotogaleria
Close Ties, de Zofia Kowalewska DR
Fotogaleria
Miragem Meus Putos, de Diogo Baldaia DR

Depois de ter ganho por duas vezes o concurso de curtas – a segunda das quais ainda o ano passado com Nueva Vida –, o boliviano Kiro Russo leva em 2017 para casa o prémio máximo do IndieLisboa, anunciado ao fim da noite deste sábado na garagem da Culturgest, numa cerimónia que antecedeu a festa oficial de encerramento do festival. O Grande Prémio Cidade de Lisboa vai este ano para a estreia de Russo na longa, Viejo Calavera, conjugação de narrativa ficcional e ambiente real, filmado nas minas bolivianas de Huanuni com actores não profissionais. Foi também um estreante na longa-metragem a vencer o concurso nacional: Miguel Clara Vasconcelos com Encontro Silencioso, ficção oblíqua ambientada no mundo das praxes académicas.

Nas curtas, os vencedores foram a polaca Zofia Kowalewska com Close Ties, documentário que olha para a relação entre os avós da realizadora (Grande Prémio do concurso internacional), e o português Diogo Baldaia com Miragem Meus Putos, olhar sobre a passagem da infância à adolescência contado numa associação livre de momentos filmados com grande cuidado visual (Melhor Curta-Metragem Portuguesa).

Em comum, todos estes vencedores têm a descontracção com que incorporam na sua construção elementos de realidade e de narrativa, de ficção e de documentário, de estilização formal e emoção espontânea – um dos temas recorrentes na programação 2017 do festival lisboeta. Viejo Calavera é um objecto onde a forma é tão importante como o conteúdo – o trabalho de ambientação sonora e visual do filme é extraordinário –, enquanto Encontro Silencioso leva ao limite do surrealismo e do absurdo os pormenores mais banais do quotidiano.

Apesar da presença de uma longa (Amor Amor) e de várias curtas nas competições internacionais, a produção portuguesa foi este ano premiada apenas no concurso nacional. Para além de Miguel Clara Vasconcelos e Diogo Baldaia, Flores, de Jorge Jácome, recebeu o prémio Novo Talento e a co-produção francesa Os Corpos que Pensam, documentário de Catherine Boutaud, o prémio da secção Novíssimos, dedicada a cineastas estreantes em contexto escolar ou de auto-produção. Antão, o Invisível, de Maya Kosa e Sérgio da Costa, e Num Globo de Neve, de André Gil Mata, receberam ex aequo o prémio paralelo Árvore da Vida, atribuído pela Igreja Católica.

Nas longas-metragens, a ficção Arábia, da dupla brasileira Affonso Uchôa e João Dumans, recebeu o Prémio Especial do Júri, e o documentário de Tyler Hubby sobre o experimentalista Tony Conrad, Completely in the Present, recebeu o prémio Indie Music, este ano atribuído por um júri separado.

O júri da competição internacional de longas foi composto pela programadora Paz Lázaro, pelo jornalista e escritor Giona Nazzaro e pelo realizador Manuel Mozos, enquanto o concurso internacional de curtas-metragens teve como jurados os realizadores Katja Pratschke e Filipe Abranches e o jornalista Richard Raskin. O júri da competição nacional (que atribui os prémios de melhor longa e de melhor curta portuguesas, Novo Talento e Novíssimos) contou com os programadores Maike Mia Höhne e Paolo Bertolin e produtor e realizador Antoine Barraud. Este ano houve também um júri para a secção Indie Music, composto pelos músicos Joana Sá e Tó Trips e pelo DJ Mário Valente.

Os premiados serão exibidos no Cinema Ideal, em Lisboa, nas próximas segunda-feira (dia 15), terça (16) e quarta (17), às 18h00 e 22h15. O IndieLisboa encerra oficialmente este domingo à noite com a antestreia portuguesa de Eu Não Sou o Teu Negro, onde Raoul Peck filma o pensamento do escritor James Baldwin.

Palmarés

Longas-metragens

Grande Prémio Cidade de Lisboa: Viejo Calavera, de Kiro Russo

Prémio Especial do Júri: Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans

Melhor Longa Portuguesa: Encontro Silencioso, de Miguel Clara Vasconcelos

Prémio Indie Music: Tony Conrad: Completely in the Present, de Tyler Hubby

Prémio Universidades: El Mar la Mar, de Joshua Bonnetta e J. P. Sniadecki

Curtas-metragens

Grande Prémio: Close Ties, de Zofia Kowalewska

Melhor Animação: 489 Years, de Hayoun Kwon

Melhor Documentário: The Hollow Coin, de Frank Heath

Melhor Ficção: Le Film de l’Été, de Emmanuel Marre

Melhor Curta Portuguesa: Miragem Meus Putos, de Diogo Baldaia

Prémio Novo Talento: Flores, de Jorge Jácome

Prémio Novíssimos: Os Corpos que Pensam, de Catherine Boutaud

Prémio do Público: Scris/Nescris, de Adrian Silisteanu

Prémio do Público Indie Junior: Litterbugs, de Peter Stanley-Ward; e The Sled, de Olesya Shchukina

Prémio Amnistia Internacional: Find Fix Finish, de Mila Zhluktenko e Sylvain Cruiziat

Prémio Árvore da Vida: Antão, o Invisível, de Maya Kosa e Sérgio da Costa; e Num Globo de Neve, de André Gil Mata

Prémio Escolas: Le Fol Espoir, de Audrey Bauduin