Agora venha a final (é que gostamos outra vez da Eurovisão)

E, de repente, ligamos novamente à Eurovisão. A final é este sábado e Salvador Sobral é favorito. Três históricos e um especialista explicam o que se passou e o que se está a passar.

Fotogaleria
Salvador Sobral na meia-final da última terça-feira LUSA/TATYANA ZENKOVICH
Fotogaleria
Simone de Oliveira sonha com uma vitória mas pede contenção na euforia Joana Bourgard
Fotogaleria
Carlos Mendes (ao centro), vencedor do Festival da Canção em 1968 e 1972, espera que uma vitória de Salvador Sobral ajude a "revitalizar a canção" DR
Fotogaleria
Paulo de Carvalho vê em Salvador Sobral alguém que se destaca naturalmente no actual Festival da Eurovisão MANUEL ROBERTO

Parece que foi há uma eternidade porque muito aconteceu desde então. A 5 de Março, Salvador Sobral vencia a final do Festival da Canção, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e começava a planear a viagem para a final da Eurovisão, em Kiev – início às 20h. O que aconteceu depois? Amar pelos dois, composta pela irmã de Salvador, Luísa Sobral, tornou-se um fenómeno viral e êxito popular. Começou a saltar fronteiras, a subir nas casas de apostas e, de repente, já não eram só os portugueses que achavam que havia ali qualquer coisa. De repente, após a semi-final de terça-feira, Amar pelos dois é mesmo a grande favorita à vitória – ultrapassou sexta-feira a anterior favorita, a Itália. O que é que aconteceu aqui?

Aconteceu o público "ligar-se à canção e ligar-se ao Salvador”, diz Simone de Oliveira, que representou Portugal na Eurovisão em duas ocasiões, em 1965, com Sol de Inverno, e em 1969, com a Desfolhada portuguesa. Aconteceu ter aparecido esta canção “a lembrar as valsinhas do Chico Buarque, sem os ingredientes das festivalices e a produção gigantesca”, refere Carlos Mendes, também ele presente um par de vezes nos palcos da Eurovisão, em 1968, com O Verão, e, em 1972, com A festa da vida. Paulo de Carvalho, que cantou na Eurovisão a histórica E depois do adeus, em 1974, semanas antes do 25 de Abril, e em 1977, integrado n’Os Amigos, Portugal no coração, gosta muito da canção e do cantor, mas gosta “sobretudo da pessoa Salvador” e acha que, na verdade, “já ninguém quer saber há anos do festival da Eurovisão". Para ele, há duas explicações para o que se vem vivendo em redor de Salvador Sobral. Uma: “as redes sociais”. Outra: “Aquilo é um espectáculo de variedades e, de repente, aparece alguém que se distingue por não fazer as mesmas palhaçadas”.

O jornalista Nuno Galopim, um dos responsáveis pelo formato renovado apresentado pelo Festival da Canção este ano, vê todo o entusiasmo como consequência, inesperada na dimensão que atingiu, de “voltar a fazer do festival uma fonte para o cancioneiro da música popular portuguesa, onde se pudessem representar as diversas frentes da música popular”. Evitar a formatação é, defende, essencial. “Não existe uma receita para a Eurovisão. Tanto ganha a [pop electrónica da ucraniana] Jamala [vencedora em 2016], como o hard-rock dos Lordi [finlandeses vencedores em 2006]”.

Neste momento em Kiev, onde tem testemunhado o enamoramento internacional pelo representante português – “não só foi recebido como um Beatle na passadeira vermelha como gera grande empatia e colhe muita admiração dos profissionais presentes” -, Nuno Galopim vê em Amar pelos dois uma canção onde se conjugam duas cenas a fervilhar actualmente no Portugal musical, “a do jazz e a dos cantautores, realidades que aqui se congregam numa só”.

"Como se se tivesse enganado no palco"

Quando subir a palco em Kiev – será o décimo primeiro concorrente a fazê-lo -, o cantor que se estreou discograficamente em 2016 com Excuse me, terá em Portugal alguém sentado em frente à televisão “a sofrer que nem uma condenada”, mas a pedir encarecidamente que ninguém “embandeire em arco”. Simone de Oliveira sabe muito bem do que fala. “Embora ele tenha uma postura diferente da minha, não quero que o Salvador sofra a mesma agonia que eu”. A cantora e actriz lembra-se bem do entusiasmo entre a comitiva portuguesa no Teatro Real, em Madrid, quando, em 1969, a Desfolhada surgiu em terceiro lugar no quadro electrónico, inovação tecnológica estreada naquele ano. Estávamos no ensaio geral e os jornalistas presentes haviam dado o pódio à canção portuguesa. Já no dia do festival, enquanto decorria a votação, maestros, cantores e compositores, aproximavam-se de Simone, perguntando: “E Portugal? Onde está Portugal?”. Não estava. A Desfolhada haveria de se classificar num incompreensível 14º lugar.

É por esta experiência que Simone de Oliveira pede alguma contenção, mas reconhece que essa mesma euforia, em caso de vitória, ou essa grande desilusão, caso a classificação não seja a que por agora se sonha, afectará mais aqueles que rodeiam Salvador Sobral que o próprio cantor. “Ele é uma pessoa muito descontraída. Não está nem aí, não tem a preocupação das fotografias. Não tem nada a ver com estes festivais. É como se se tivesse enganado no palco”.

O jovem Carlos Mendes de 20 anos iria reconhecer-se nessa postura. Estávamos em 1968 e ele, saído dos Sheiiks, rocker de botas Beatle nos pés, levava Verão à Eurovisão. “A Valentim de Carvalho fez-me a proposta [de concorrer ao Festival da Canção] e aceitei porque os Sheiks tinham acabado, porque me prometeram que faria uma carreira a solo e porque era Londres e o Royal Albert Hall, o que na altura, por causa dos Beatles, tinha um significado muito grande”, recorda. “Foi entrada por saída. Nervoso? Nervoso para quê?”. O que lhe interessava era passear por Carnaby Street, ver concertos e tocar com “malta da música” que conhecera entretanto. E, de caminho, “episódio que mostra bem o desinteresse pessoal que tinha por aquilo”, faltar ao jantar que os representantes da BBC marcaram para o conhecer - havia coisas mais interessantes a fazer.

Quando regressou ao festival, quatro anos depois, tudo mudara. “A poesia entrara nas canções, as palavras tinham uma forma muito importante, e eu já tinha vivido a luta estudantil. Estava muito politizado e tinha outros horizontes”. Além do mais, conta, tinha o apoio de uma editora, a Pye, gravara nos estúdios de George Martin, produtor dos Beatles, e tinha gente da BBC a garantir-lhe que iria ganhar, revela. “Entretanto, somos chamados a Lisboa para reunir com Ramiro Valadão, director da RTP, que nos diz que Portugal não poderia ganhar”. O regime não queria um magote de gente da Europa democrática a entrar pelo país, nem arcar com as despesas significativas inerentes à organização do festival. Ramiro Valdão desejava “um honroso terceiro lugar”. Ficaria com o sétimo, à época a melhor classificação portugesa de sempre.

Daí para cá, tudo mudou. Carlos Mendes, tal como Paulo de Carvalho, há muito se desligou. O segundo, olhando para trás, vê nas suas participações nos festivais, “um espaço de formação". Agora, porém, “a música é outra, a forma de estar é outra e apareceu gente nova, com novas vontades”. Carlos Mendes, enquanto elogia aquela que para si é a grande revelação de Amar a dois, “o extraordinário arranjo de cordas [de Luís Figueiredo]”, tem esperança que uma vitória de Salvador Sobral permita “revitalizar a canção” para que tenhamos mais “a feira da música e menos música de feira”.

Nuno Galopim explica que a Eurovisão sempre viveu em ciclos, como o da “chanson nos anos 1950”, “o disco-sound no final da década de 1970” ou “a relação com a pop dos anos 1980”. Neste momento, os modelos são “a pop electrónica e a balada de grande opulência”. Amar a dois pode ser o anúncio da chegada de um novo ciclo: “Não conduzir simplesmente ao despojamento mas também à opção por cantar na língua de origem”. Quanto a isso, o futuro o dirá. Agora, é momento de assistir à final.

“Adoro o Salvador e adoro a canção. Só não roo as unhas porque são postiças”, ri Simone de Oliveira. E até Carlos Mendes, há tanto desligado do festival, pergunta: “É amanhã [sábado], não é? A que horas?” Às 20h, respondemos. “É isso, vou ver. Estou a torcer pelo Sobral". Estamos todos.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações