Em apenas 15 minutos, 30 voluntários recolheram 4212 beatas numa praia de Setúbal

As pontas de cigarro são o resíduo mais abundante em todo o mundo. Calcula-se que em Portugal sejam deitadas fora 7 mil beatas por minuto.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

O rio Sado e os seus golfinhos, bem como o território envolvente, continuam a ser um factor determinante para o aparecimento de grupos de voluntários que se mobilizam para desencadear de acções de limpeza em praias e outros espaços públicos numa tentativa de preservar a biodiversidade dos mais variados focos poluentes. Em poucos dias, combateu-se o plástico das embalagens de sal e as beatas. E as quantidades recolhidas são impressionantes.

As embalagens de plástico com sal de cozinha que os mariscadores utilizam na apanha do lingueirão, foram vistas como um dos primeiros alertas para a carga poluente que se tornou comum no estuário do Sado e que a Ocean Alive considera uma “maternidade de vida marinha” por oferecer abrigo e alimentação a muitas aves. Vânia Silva, uma das quatro co-fundadoras do grupo Feel4Planet, que se dedica a “combater e amenizar o impacte ambiental da produção de resíduos urbanos e não urbanos”, explicou ao PÚBLICO que tomou consciência do impacto que as beatas de cigarro causavam quando participou nas campanhas de recolha de embalagens de sal. “Constatei a enorme quantidade de pontas de cigarro que os frequentadores deitam para o areal das praias”. Acabou por concluir que, afinal, para além das embalagens de sal, havia um problema muito mais grave: as beatas dos cigarros.

Mas o grupo de que é co-fundadora não tinha, só por si, capacidade para mobilizar voluntários que se dispusessem a apanhar beatas. Foi então que outra associação de jovens, a Experimentáculo, também sediada em Setúbal onde se dedica à promoção da cultura, das artes e à valorização do património, propôs às quatro jovens do grupo Feel4Planet uma participação na “limpeza voluntária” de uma praia do Sado, aproveitando a presença de estudantes do programa de intercâmbio europeu Make a Difference, provenientes de Portugal, Espanha, Macedónia, Croácia e Lituânia. Ao todo, 30 voluntários.

Assim, na manhã da última quarta-feira, os dois grupos concentraram-se na zona ribeirinha da praia da Saúde, em Setúbal, para executar uma tarefa que os voluntários estrangeiros encararam “com surpresa” por se tratar de um gesto raro nos seus países.  

Mas o tempo não estava favorável à recolha. As bátegas de água eram frequentes e a acção que deveria realizar-se entre 10 e 12 horas sofreu sucessivos adiamentos até que os voluntários aproveitaram um curto período sem chuva entre as 11 horas e as 11h15 e recolheram, para garrafas de plástico, 4212 beatas que os fumadores tinham lançado na área pedonal e no areal da praia. Os voluntários percorreram apenas um percurso de 725 metros, a que corresponde uma área total de 3354 metros quadrados, equivalente a um terço de um campo de futebol. 

“Lançar as pontas de cigarro para o chão tornou-se um gesto comum e intrínseco naqueles que fumam”, concluiu Vânia Silva, lembrando que é o tipo de resíduo “mais abundante em todo o mundo”. Em Portugal, “é lançada para o chão uma média de 7 mil beatas por minuto”, um número que a jovem classifica de “alarmante” e que vem comprovar “a necessidade de intervir activamente, tanto nas zonas ribeirinhas junto ao rio Sado, como no centro da cidade”. E recorda que as beatas de cigarros, “para além de não serem biodegradáveis, deterioram-se a longo prazo transformando-se em microplásticos”, responsáveis pela libertação de cerca de 4700 substâncias nocivas para o ambiente que podem entrar no ecossistema e na cadeia alimentar de centenas de espécies.

A experiência vai ter continuidade, garante Vânia Silva. Irá ser agendada, para breve, uma nova acção de recolha das beatas em todo o troço que vai da praia da Saúde até junto da doca de Setúbal.  

A intervenção das duas associações contou com o apoio da Câmara de Setúbal, da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra e da Capitania do Porto de Setúbal.