Desemprego desce para 10,1% no arranque de 2017

É a taxa de desemprego mais baixa dos últimos sete anos. Entre o primeiro trimestre de 2016 e o de 2017, a economia criou quase 145 mil postos de trabalho.

Foto
Depois de ter estabilizado no final de 2016, o desemprego voltou a cair ADRIANO MIRANDA

A taxa de desemprego desceu para 10,1% no arranque de 2017. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados nesta quarta-feira, mostram que no primeiro trimestre do ano o desemprego ficou abaixo dos 10,5% registados no trimestre anterior e dos 12,4% verificados no período homólogo de 2016.

Trata-se da taxa desemprego mais baixa dos últimos sete anos. Para encontrar um valor semelhante é preciso recuar ao quarto trimestre de 2009, altura em que ficou precisamente nos 10,1%. Daí em diante, o desemprego iniciou uma trajectória de subida que se prolongou até ao início de 2013, quanto atingiu os17,5%. Depois desse pico, a taxa tem estado a recuar ou, em alguns trimestres, a estabilizar.

No primeiro trimestre de 2017, o INE dá conta de 523.900 pessoas desempregadas, menos 116.300 do que no início de 2016, o que corresponde a uma diminuição de 18,2% - a maior desde o terceiro trimestre de 2013. Na comparação com o trimestre anterior, a população desempregada recuou 3,5% o que corresponde a menos 19.300 pessoas.

A taxa de desemprego jovem (15 a 24 anos) foi de 25,1%, menos 2,6 pontos percentuais do que no trimestre anterior e 5,9 pontos abaixo da taxa verificada no período homólogo.

Mais 145 mil empregos num ano

Entre o primeiro trimestre de 2016 e o primeiro trimestre de 2017, o emprego cresceu 3,2%, o que se traduziu em mais 144.800 postos de trabalho. Trata-se de uma subida homóloga inédita e a maior desde, pelo menos, 1998. O emprego criado foi sobretudo para contratos sem termo, embora os recibos verdes também tenham aumentado em comparação com o período homólogo.

Contrariando a evolução verificada em todos os primeiros trimestres da série iniciada em 2011, nota o INE, havia mais 14.500 pessoas empregadas do que no trimestre anterior (um aumento de 0,3%). A população empregada totalizava 4.658.100 pessoas.

Os dados mensais mais recentes já apontavam para um descida do desemprego e em Fevereiro a taxa ficou, pela primeira vez em oito anos, abaixo dos dois dígitos. Os dados definitivos apontavam para uma taxa de 9,9% em Fevereiro e a estimativa de Março para 9,8%. Contudo, estes dados são apurados de forma diferente pelo INE e não podem ser directamente comparáveis com as estatísticas trimestrais agora divulgadas.

O objectivo do Governo é chegar ao final de 2017 com uma taxa de desemprego de 9,9%, um indicador que deverá continuar a cair até aos 7,4% em 2021.