Cidade romana de Balsa, ameaçada pela agricultura intensiva, vai quadruplicar área de protecção

A urbe romana em Tavira está numa quinta dedicada à exploração agrícola, o que pode pôr em causa a preservação dos vestígios.

Busto, descoberto na área que correspondeu à cidade romana de Balsa, com o retrato de uma senhora com um penteado característico usado pela imperatriz Faustina Maior, esposa de Antonino Pio, datado no segundo terço do século II d.C
Foto
Busto, descoberto na área que correspondeu à cidade romana de Balsa, com o retrato de uma senhora com um penteado característico usado pela imperatriz Faustina Maior, esposa de Antonino Pio, datado no segundo terço do século II d.C Museu de Évora

A Zona Especial de Protecção (ZEP) da cidade romana de Balsa, em Tavira, vai ser alargada para uma área quase quatro vezes superior à existente. A proposta, publicada nesta terça-feira no Diário da República, determina não apenas o alargamento da área de 53 hectares para cerca de 233 hectares. Ao mesmo tempo, é pedida a revisão da classificação para Sítio de Interesse Público (SIP).

Esta medida, destinada a preservar a estação arqueológica, surge na sequência da polémica desencadeada há cerca de dois anos, quando a empresa Luz Export pretendeu desenvolver um projecto agrícola, com estufas implantadas em cima da antiga cidade romana.

Balsa foi uma importante cidade romana — talvez a mais importante do país —, que existiu na freguesia de Luz (Tavira), nos terrenos litorais hoje designados por Torre d’Aires, Antas e Arroio. Foi descoberta no século XIX mas está em larga medida por estudar. Mas sabe-se que por lá subsistem vestígios de necrópoles, uma parte habitacional, edifícios com mosaicos, balneários, tanques de salga de peixe, cerâmica e moedas.

O projecto da Luz Export, destinado a produzir frutos vermelhos (framboesas), localiza-se precisamente nessa zona que fica dentro do Parque Natural da Ria Formosa e recebeu parecer favorável do ICNF, sem que fosse consultado — como seria obrigatório — outras entidades, nomeadamente a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR).

A propriedade, Quinta Torre d´Aires, situa-se em terrenos classificados de Reserva Agrícola Nacional (RAN) e Reserva Ecológica Nacional (REN). Os trabalhos de construção do sistema de irrigação e estacaria para as estufas foram iniciados, mas a obra acabou por ser embargada por ordem da Direcção Regional de Cultura do Algarve (DRA).

A empresa, pertencente a um grupo espanhol que desenvolve projectos agrícolas em Huelva, acatou a sugestão feita pela DRA para que fosse feito um levantamento georeferenciado da estação arqueológica, destinado a avaliar a amplitude e importância histórica do local. O custo da investigação, que ascende a 40 mil euros, foi assumido pelos promotores agrícolas. Agora, a Direcção-Geral do Património Cultural, com base nos novos elementos recolhidos sobre a antiga cidade romana, abriu o procedimento para que seja alargada a ZEP que tinha sido delimitada em 2011, propondo simultaneamente a revisão da categoria para Sítio de Interesse Público. As reclamações poderão ser feitas durante um mês.

Nos últimos anos, a agricultura intensiva tem vindo a registar um incremento crescente a sul da Estrada Nacional (EN) 125. Por isso, em Tavira, rebentaram os protestos contra o “oceano de plástico” que se está estender até à ria Formosa. Entretanto, na Universidade do Algarve, está a decorrer uma conferência internacional denominada “A Herança Cultural da Dieta Mediterrânica”, onde, na sessão de abertura que decorreu nesta terça-feira, o ministro da Agricultura e Pescas, Capoulas Santos defendeu as culturas de regadio. “Sem água não haverá agricultura competitiva”, disse.

À margem da conferência, questionado pelos jornalistas sobre a forma de conciliar a defesa da paisagem mediterrânica com o aumento da agricultura intensiva, respondeu: “Qualquer actividade agrícola é, em si própria, agressora do ambiente”. Por isso, no caso de Balsa, sublinhou: “As políticas correctas são aquelas que conseguem conciliar a utilização económica dos recursos com a mínima afectação possível”.

Segundo o parecer emitido pela DRC, nos cerca de 43 hectares da Quinta da Torre d´Aires, poderá ser desenvolvida agricultura em metade da propriedade. A empresa Luz Export desistiu, entretanto, do projecto dos frutos vermelhos, passando a surgir a Fresh Cut com a intenção de produzir, nessa quinta, ervas aromáticas.