A jovem escoteira enfrentou um neonazi. E a imagem corre o mundo

A fotografia mostra Lucie Myslikova, no seu uniforme de escoteira, a enfrentar um militante de um partido neonazi na República Checa. Depois de a imagem se ter tornado viral, a jovem desdobra-se em entrevistas.

Foto
Vladimir Cicmanec

A Internet tem destas coisas. Uma escoteira com apenas 16 anos numa cidade da República Checa decidiu juntar-se, com alguns colegas, a uma contramanifestação perante um comício de um partido neonazi. Mas houve um momento, captado por uma máquina fotográfica, que está a dar a volta ao mundo, através das redes sociais, e que chamou a atenção dos jornais internacionais.

Na imagem, Lucie Myslikova surge a enfrentar um homem de cabeça rapada, de óculos escuros postos, e militante do partido de extrema-direita que se juntou na cidade de Brno. A rodear o momento da discussão, bolas de sabão conferiam, juntamente com a farda de escoteira de Lucie, um ambiente de apaziguamento e pacificação, perante a aparente agressividade do outro.

A imagem surgiu quase de imediato na imprensa local. Depois, foi partilhada na página do Facebook da Organização Mundial do Movimento de Escoteiros seguindo daí para o site Reddit. A partir daqui, não mais parou. Por exemplo, um tweet que divulgava a fotografia foi partilhado mais de seis mil vezes. E a publicação da organização de escoteiros foi, por sua vez, partilhada quase quatro mil vezes.

A protagonista foi, pelo menos nas últimas 24 horas, o centro das atenções da imprensa internacional. Por isso, na quinta-feira, prestou declarações à BBC. “Eu não estava com medo”, garante Myslikova. “Eu fui à contramanifestação como alguém que está determinada a alterar as coisas. Para mim, faz sentido tentar e mudar o mundo à minha volta”, continua a jovem, apelando ainda aos jovens para se juntarem a iniciativas do género: “Penso que os jovens devem envolver-se nestas coisas. Eles devem estar atentos ao que se passa”.

Em relação à conversa que manteve com o militante neonazi, Myslikova revela que a discussão se centrou nos refugiados e imigrantes. O argumento que a escoteira apresentou era o de que os países têm o dever de ajudar aqueles que fogem da guerra e que não existem fronteiras, cita a BBC. O homem, que não foi identificado, respondeu, dizendo-lhe que deveria ser violada pelas pessoas que ela está a tentar salvar.

Esta sexta-feira, a jovem continuou na maratona de entrevistas. Desta vez ao The Guardian, explica que a luta contra o neonazismo é “consistente com a ideologia e história do movimento dos escoteiros”. Sobre o homem, Myslikova relata que “ele parecia estar muito zangado”. “Mas não nos fez nada”, esclareceu.

Também o responsável pela fotografia teve direito aos seus momentos de fama, não fosse ele o autor da imagem altamente partilhada nas últimas horas. Vladimir Cicmanec foi quem tirou a fotografia. “Ela estava a marcar a sua posição, tem 16 anos, manteve-se orgulhosa e fez alguns comentários profundos”, contou o fotógrafo à CNN.