Polícia de Lisboa lança campanha de alerta contra Baleia Azul

PSP apela a colegas de alegadas vítimas para darem conhecimento de comportamentos anómalos.

Campanha da PSP passará por distribuição de cartazes pelas escolas
Foto
Campanha da PSP passará por distribuição de cartazes pelas escolas fabio augusto

O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP lançou nesta sexta-feira uma campanha, que inclui a distribuição de cartazes, para alertar as crianças, os jovens e os pais para os perigos do jogo Baleia Azul.

De acordo com a PSP, a campanha é composta por vários cartazes que serão difundidos pelas principais redes sociais, havendo ainda a intenção de os distribuir pelos diversos estabelecimentos de ensino da área de Lisboa, com a recomendação aos pais que se deverão manter informados relativamente aos indícios do jogo.

A PSP, que já difundiu algumas formas de prevenção no Facebook desta força policial, sensibiliza ainda os pais para que abordem, de forma descomplexada, com as suas crianças e jovens sobre as implicações deste jogo que consiste em desafiar o jogador a completar 50 tarefas, entre as quais autolesões, podendo a última tarefa resultar em suicídio.

"Importa ainda que os pais alertem as crianças sobre os riscos de adicionar desconhecidos e recomendam que apenas a família, amigos e pessoas da escola façam parte da lista de amizades nas redes sociais", refere a PSP.

Para que não abandonem o jogo, os curadores do Baleia Azul ameaçam as vítimas, dizendo inclusivamente que têm em sua posse o local de residência e informações acerca dos familiares dos jogadores, adverte a polícia.

A PSP apela aos colegas da escola que suspeitarem de algum comportamento anómalo para alertarem os directores de turma, professores e/ou os psicólogos escolares, devendo igualmente ser procurada "ajuda psicológica em quadros psicopatológicos com acompanhamento clínico".

A polícia lembra que a adesão ao jogo faz-se inicialmente através de conversações nas redes sociais, para as quais é apresentado e proposto por amigos. Posteriormente, o curador valida a aceitação da vítima convidada e integrada numa aplicação de conversação, através da qual passam a interagir. Depois disso o curador finge interessar-se pela vítima, envolvendo-a numa mentira fisicamente autodestrutiva e psicologicamente desestruturante.

Em Portugal são conhecidos sete casos de autolesões alegadamente relacionados com o jogo Baleia Azul. Pelo menos quatro deles estão a ser acompanhados pelo Ministério Público.