Azulejos feitos por reclusos repõem fachada do centro de Aveiro

Azulejos vão ser colocados no sábado, Dia Nacional do Azulejo. Iniciativa integra o programa do 10.º aniversário do SOS Azulejo

Foto
silviabes/Flickr

Reclusos do estabelecimento prisional de Aveiro executaram réplicas de azulejos em falta num prédio antigo do centro da cidade que vão ser repostos na fachada, no âmbito do projecto SOS Azulejo, anunciou esta semana a autarquia.

A reposição de azulejos, na fachada da do prédio com os números de polícia 15 a 17 da Rua Combatente da Grande Guerra, ocorrerá ao início da tarde de sábado, Dia Nacional do Azulejo, seguindo-se uma "Infusão com Ciência" que se traduzirá numa conversa alusiva aos 10 anos do SOS Azulejo. As réplicas que vão ser colocadas preenchendo as falhas na fachada azulejar foram executadas com recurso a técnicas e materiais tradicionais, no âmbito de uma acção de formação que decorreu no Estabelecimento Prisional de Aveiro.

A iniciativa faz parte do programa do 10.º aniversário do projecto SOS Azulejo, promovido pela Câmara Municipal de Aveiro em parceria com a Fábrica da Ciência Viva e a Universidade de Aveiro, que inclui a realização de várias acções para o público escolar. Quarta-feira iniciam-se as comemorações com a Feira da Ciência, Artes e Ofícios sobre o Património Azulejar Português, uma oficina do Azulejo e a inauguração da exposição "10 anos SOS AZULEJO e Azulejaria Arte Nova Made In Aveiro", no Museu Arte Nova.

O projecto SOS Azulejo é uma acção da responsabilidade do Museu de Polícia Judiciária (MPJ), órgão do Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais (ISPJCC), que nasceu da necessidade de combater a delapidação do património azulejar português, sobretudo por furto, mas também por vandalismo e incúria. A Câmara de Aveiro foi pioneira, ao nível autárquico, na criação do seu Plano de Preservação e Valorização do Azulejo de Aveiro/Banco do Azulejo, sendo escolhida em 2008 para receber a primeira apresentação pública do SOS Azulejo.