Proprietários lisboetas ganham 72 milhões com Airbnb

Capital portuguesa vale 43% do total do valor pago em estadias através da plataforma em 2016.

Foto
Airbnb diz que mais de 70% das casas “são fora dos bairros com maior concentração hoteleira das cidades” Nuno Ferreira Santos

O arrendamento de casas (ou quartos) através da plataforma Airbnb gerou uma receita de 72 milhões de euros a proprietários de casas em Lisboa, no ano passado, de acordo com os dados divulgados pela empresa esta terça-feira. Este valor representa 43% do total arrecadado em Portugal, que chegou aos 166 milhões de euros, através de 1,6 milhões de hóspedes.

Tendo por base dados de um inquérito, a Airbnb estima que, entre hóspedes e anfitriões, o impacto económico total tenha chegado aos 1,07 mil milhões de euros. No caso de Lisboa, diz a empresa, “os 718 mil hóspedes que chegaram à cidade” terão gasto 404 milhões, o que coloca o impacto económico nos 476 milhões, “um crescimento de 78% face ao ano anterior”.

De acordo com a Airbnb, dos anúncios activos (13.000), 74% são de casas, mas há ainda 24% de quartos e 1% de “partilha de quarto”. Existem mais de 53.000 alojamentos inscritos na plataforma criada em 2008. Desde esse ano, a empresa tem vindo a expandir-se no meio de polémicas que envolvem os grupos hoteleiros e acusações de fazer subir os preços das rendas. Para a Airbnb, mais de 70% das casas “são fora dos bairros com maior concentração hoteleira das cidades”. Isso, diz, “distribui os benefícios económicos para além dos centros das cidades para novas famílias, comunidades e negócios locais”.

Ao nível das taxas cobradas pela autarquia de Lisboa (um euro por pernoita), a empresa refere que já foi responsável pela entrega de 2,8 milhões de euros entre Maio do ano passado e Março. Só nos primeiros três meses deste ano o valor foi de 1,1 milhões.

Dos visitantes estrangeiros, 80% são europeus, com destaque para os franceses (27% do total) e, depois, para os britânicos e os norte-americanos (10%).

Os portugueses têm também um peso expressivo na utilização do aluguer via Airbnb, com 77 mil pessoas a usar a plataforma para ficar em Lisboa no ano passado.

A nível geral, a empresa refere que o número de portugueses a utilizar o Airbnb quando viajam passou de 133.300 em 2015 para 264.000 no ano passado.  

No dia 20 de Abril, o Conselho de Ministros aprovou uma lei para levar sites como o Airbnb ou o Booking a disponibilizar nas suas plataformas apenas as casas cujos proprietários tenham inscrito no registo nacional de turismo. O diploma, que ainda não foi publicado em Diário da República, faz parte da medida Simplex «Licenciamentos Turísticos + Simples».

De acordo com uma nota do Ministério da Economia, com a alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos “consagra-se a obrigatoriedade” das plataformas electrónicas “só poderem comercializar empreendimentos registados no Registo Nacional de Turismo”.