No PSI-20, há gestores a ganhar até 100 vezes mais do que trabalhadores

Portugal é o quarto país da UE com maiores disparidades salariais. Jerónimo Martins, EDP e Sonae estão no topo, avança o Diário de Notícias.

Foto
Pedro Soares dos Santos, CEO da Jerónimo Martins, recebeu 1,269 milhões de euros João Cordeiro

Os gestores das cotadas portuguesas ganharam em média 876 mil euros em 2016 e nas equipas de executivos há quem ganhe até 100 vezes mais do que os funcionários. As contas foram feitas pelo Dinheiro Vivo/Diário de Notícias, a partir das 14 das empresas do PSI-20 que já apresentaram os relatórios e contas anuais (actualmente, o principal índice da bolsa lisboa tem 19 cotadas).

A Jerónimo Martins (dona do Pingo Doce) é o grupo onde há maior distância salarial. Com uma remuneração total de 1,269 milhões de euros, o CEO Pedro Soares dos Santos ganhou mais 101 vezes do que os funcionários do grupo que detém o Pingo Doce (tendo em conta a média salarial do grupo, de 12.500 euros anuais).

As remunerações de Paulo Azevedo, co-CEO da Sonae (grupo dono do PÚBLICO), foi 38 vezes superior ao vencimento médio dos trabalhadores, contabilizou o DN. Também na Galp e nos CTT a diferença entre a folha salarial dos funcionários e dos administradores executivos é superior a 30 vezes.

O gestor mais bem pago da bolsa de Lisboa é o presidente da EDP, eléctrica que tem como principal accionista a China Three Gorges. Entre a remuneração fixa e variável, António Mexia recebeu mais de dois milhões de euros no ano passado, mais 11% do que em 2015. A eléctrica, refere o mesmo jornal, distribuiu 10,7 milhões de euros pelos oito membros do conselho executivo da EDP. Ao contrário das remunerações de Mexia, o valor global dos salários da administração diminuiu 7% face ao ano anterior.

Ao Dinheiro Vivo, António Mexia rebateu declarações recentes da coordenadora do Bloco de Esquerda, quando Catarina Martins defendeu a necessidade de haver “regras na economia para que o país possa ser mais justo”, de forma a combater “sectores de privilégio ilimitado”. Mexia responde que a remuneração dos gestores é um assunto que “diz respeito exclusivamente aos accionistas” das empresas. E justifica: “No momento em que se quiser controlar aquilo que é a capacidade da iniciativa privada em Portugal e interferir nisso, só existe um destino: é a pobreza”.

Além de António Mexia, houve mais oito líderes que ganharam mais em 2016, neste grupo das 14 cotadas do PSI-20 com dados já disponíveis.

Dados do Eurostat mostram que Portugal é o quarto país da União Europeia onde há maiores disparidades salariais, depois de Polónia, Roménia e Chipre. No lado oposto, com menos diferenças de remuneração, estão a Suécia, a Bélgica, a Dinamarca, a Finlândia e França.