Crónica de jogo

Bas Dost salvou o Sporting de perder pontos em Braga

Equipa “leonina” vingou derrota da primeira volta e está a um ponto de assegurar o terceiro lugar. Holandês marcou três golos e ficou a apenas dois de Messi na luta pela Bota de Ouro.

Foto
LUSA/JOSE COELHO

O Sporting já não tem muito por que lutar esta época e a matemática tem mantido a equipa num pequeno patamar de esperança. Neste domingo, um empate ou uma derrota teria acabado com a matemática do primeiro lugar, mas os “leões” conseguiram arrancar uma vitória no Minho frente ao Sporting de Braga por 3-2, graças a mais uma tarde inspirada de Bas Dost. O holandês marcou três golos, aproveitando um raro fim-de-semana de Lionel Messi em branco para se aproximar do argentino na luta pela Bota de Ouro — Dost passou a 31, Messi está nos 33. Mas o Sp. Braga, nesta segunda estreia de Abel Ferreira, causou muitos problemas e um desfecho semelhante ao da primeira volta em Alvalade (triunfo minhoto por 1-0, também com Abel no banco) não esteve longe de acontecer.

Os últimos dias tinham sido difíceis para Jorge Jesus, que perdera o pai Virgolino, antigo avançado “leonino” contemporâneo dos “Cinco Violinos” e o homem que o forçara a escolher uma de três coisas: estudos, aprendiz de soldador ou o futebol. Haveria por certo uma vontade da equipa oferecer a vitória ao seu treinador, que acabou por estar em Braga apesar do momento difícil. Os “leões” entraram com vontade de fazer essa homenagem, com Gelson Martins a liderar as primeiras investidas, duas correrias pelo flanco direito desfeitas, primeiro por Marafona, depois por Ricardo Ferreira.

Mas o Sporting é uma equipa que estava a jogar no risco perante um adversário que estava a jogar no erro. E de uma perda de bola nasceu o primeiro golo do jogo, aos 13’. A bola chegou a Battaglia, Rui Fonte fez um primeiro remate à trave e, na recarga, Ricardo Horta marcou o primeiro.

O golo não mudou muito a tendência do jogo e de uma aparente contrariedade os “leões” tiveram uma das chaves da reviravolta. Aos 27’, Alan Ruiz saiu lesionado (pareceu grave) e Jesus teve de mexer, fazendo entrar Daniel Podence, um pequeno avançado de muito nervo, velocidade e técnica.

Entrou Podence e o Sporting quase chegou ao empate. À meia-hora de jogo, Rosic fez falta sobre o jovem avançado na área minhota, o árbitro assinalou penálti, mas o habitualmente fiável Adrien Silva atirou ao lado. Antes do intervalo, mais uma investida de Gelson fez Marafona brilhar na baliza bracarense, e Stojlinkovic meteu a bola nas redes de Patrício (mas estava fora-de-jogo).

O jogo subiu de intensidade e emoção na segunda parte. O Sporting voltou a entrar por cima e, aos 50’, Gelson caiu na área bracarense numa disputa de bola com Marcelo Goiano e Nuno Almeida voltou a assinalar penálti. Desta vez, foi Bas Dost a avançar e a bola entrou.

Com Gelson a perder gás, foi Podence a levar a equipa para a frente e ele próprio esteve perto do golo num remate aos 61’ para nova defesa de Marafona. A reviravolta aconteceu através de uma jogada totalmente holandesa. Marvin Zeegelaar fez o cruzamento e Bas Dost fez o 2-1.

O jogo ainda tinha muito para dar. O Sp. Braga repôs a igualdade numa jogada em que Paulo Oliveira falhou uma intercepção e deixou Pedro Santos à vontade para meter a bola em Rui Fonte que fez o empate. Cinco minutos depois, Bas Dost fez o seu terceiro do jogo, um cabeceamento perfeito após cruzamento de Schelotto.

Foi com os laterais, nem sempre muito fiáveis, e, sobretudo, com a pontaria de Bas Dost — o primeiro a chegar aos 30 golos no campeonato depois dos 42 de Jardel em 2001-02 — que o Sporting não voltou a perder pontos frente à equipa do seu antigo defesa direito (e treinador de juniores e equipa B). O terceiro lugar ficou a apenas um ponto e pode ficar fechado na próxima jornada, enquanto o Sp. Braga dificilmente irá mais longe do que o quinto lugar. [email protected]