Brasil enfrenta primeira greve geral em 21 anos

Sindicatos dizem que esta é a "maior greve da história do Brasil". Em causa está o pacote de reformas laborais proposto por Michel Temer.

Fotogaleria
Fernando Bizerra Jr/EPA
Fotogaleria
Diego Vara/Reuters
Fotogaleria
Ricardo Moraes/Reuters
Fotogaleria
Ueslei Marcelino/Reuters
Fotogaleria
Sergio Moraes/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Edison Vara/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Roosevelt Cassio/Reuters
Fotogaleria
Roosevelt Cassio/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Fernando Bizerra Jr/EPA
Fotogaleria
Fernando Bizerra Jr/EPA
Fotogaleria
Ueslei Marcelino/Reuters
Fotogaleria
Nacho Doce/Reuters
Fotogaleria
Joedson Alves/EPA
Fotogaleria
Joedson Alves/EPA
Fotogaleria
Ricardo Moraes/REUTERS

O Brasil vive, nesta sexta-feira, a primeira greve geral em 21 anos, levando ao encerramento dos transportes públicos, escolas e serviços públicos nas principais cidades e a protestos nas ruas que culminaram em confrontos com a polícia. Na origem da greve está o pacote de reformas laborais proposto pelo Presidente Michel Temer.

Em alguns pontos de São Paulo e no Rio de Janeiro os manifestantes criaram barricadas utilizando pneus a arder para impedir a intervenção da polícia e bloqueando o acesso às auto-estradas e aos principais aeroportos. As autoridades responderam com gás lacrimogéneo. Num desses locais, na cidade paulista, um automobilista conseguiu furar as barreiras atropelando vários manifestantes, tendo sido detido depois de uma perseguição policial. Segundo o Globo, duas pessoas ficaram feridas sem se conhecer o seu estado de saúde. Em São Paulo, no final da tarde, registavam-se pelo menos 16 detidos.

Deverão ser milhares os trabalhadores que se juntarão à greve de 24 horas que se iniciou às zero horas desta sexta-feira em resposta às propostas do Governo brasileiro que pretende enfraquecer as regulamentações laborais e alterar a segurança social através de medidas que forçariam, por exemplo, muitos brasileiros a estender a sua vida de trabalho antes de poderem começar a receber a respectiva pensão.

“Vai ser a maior greve da história do Brasil”, afirmou à Reuters Paulo Pereira da Silva, presidente do sindicato do comércio, Força Sindical.

Por outro lado, Vanger Freitas, presidente do Sindicato Central dos Trabalhadores, a maior confederação laboral do Brasil, afirmou, em comunicado, citado pela Reuters, que “Temer nem sequer quer negociar”. “Ele apenas quer respeitar as exigências dos empresários que financiaram o golpe de Estado precisamente para acabar com a segurança social e legalizar a exploração dos trabalhadores”, disse ainda Freitas.

O Governo rejeitou estas acusações, defendendo que está a trabalhar para desfazer os danos económicos causados pelo anterior Governo, apoiado pelos sindicatos: “A herança disso foi 13 milhões de desempregados”, afirmou Márcio de Freitas, porta-voz de Temer. “O Governo está a realizar reformas para mudar esta situação, para criar emprego e crescimento económico”.

O número de desempregados no Brasil atingiu o recorde de 14,2 milhões de pessoas no primeiro trimestre deste ano, o que representa 13,7% da força de trabalho do país, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos três primeiros meses de 2017, o desemprego saltou 2,8% em relação ao mesmo período de 2016 e 1,7% em comparação com os dados de Outubro-Dezembro.